Guatemala

Milhares de pessoas protestam na Guatemala contra fim da missão anticorrupção da ONU

Milhares de pessoas manifestaram-se sábado contra a tentativa do Presidente Jimmy Morales de terminar o mandato de uma missão da ONU de combate à corrupção.

ESTEBAN BIBA/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Milhares de pessoas manifestaram-se sábado na Guatemala contra a tentativa do Presidente Jimmy Morales de terminar o mandato de uma missão da ONU de combate à corrupção que investiga contas da sua campanha eleitoral em 2015.

“Rejeitamos o Governo dos corruptos”, “Somos contra a impunidade”, podia ler-se em alguns cartazes empunhados por manifestantes na Cidade da Guatemala, a capital.

“Rejeitamos as ações falaciosas e ilegais de Jimmy Morales (…) que tenta de novo acabar com a luta contra a corrupção”, disse um dos ativistas, Alvaro Montenegro, do Justicia Ya, um dos grupos que promoveu a manifestação.

Novas manifestações são esperadas na segunda-feira.

O Governo da Guatemala decidiu na segunda-feira dar por concluída a missão da Comissão Internacional contra a Impunidade na Guatemala (Cicig), cujo início de atividade data de 2007.

Contudo, na quarta-feira, o Tribunal Constitucional – a mais alta instância na Guatemala – suspendeu esta decisão unilateral.

O Tribunal Constitucional instou as autoridades a envidarem todos os esforços para facilitar o trabalho da missão da ONU.

O fim da missão da ONU, que Jimmy Morales acusou de exceder as suas funções, foi inicialmente agendado para 03 de setembro de 2019, após a próxima eleição presidencial.

As tensões entre o Presidente Morales e a Cicig datam de 2016, quando o seu irmão e o seu filho foram acusados de evasão de impostos e branqueamento de capitais.

O conflito agudizou-se no verão de 2017, quando a missão da ONU e a Justiça guatemalteca solicitou o levantamento da imunidade presidencial para investigar suspeitas de financiamento de campanha ilegal durante a campanha eleitoral de 2015.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Greve

O povo é quem mais ordena e a CGTP está fora /premium

André Abrantes Amaral

Quando os motoristas de matérias perigosas param o país e não se revêem na CGTP é a própria Concertação Social que está posta em causa, o que revela o quanto a geringonça distorceu esta democracia.

Eleições Espanha 2015

Sombras da guerra civil /premium

Manuel Villaverde Cabral

Não se espera uma nova guerra civil mas não são de afastar enfrentamentos de vários géneros, incluindo físicos, apesar da pertença comum à União Europeia, cujos inimigos em contrapartida rejubilarão!

25 de Abril

O Governo Ensombrado vai ao circo

Manuel Castelo-Branco
143

Se hoje é possível um programa como o Governo Sombra, foi porque o Copcon de Otelo não vingou. Porque apesar de serem “apenas” 17 vítimas mortais, as FP25 foram desmanteladas e os seus membros presos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)