Grécia

Tsipras exige voto de confiança “imediato” no seu Governo após demissão de ministro

O primeiro-ministro grego pediu ao parlamento que proceda a um voto de confiança no seu Governo, após a renúncia d ministro da Defesa, opositor do novo nome da Macedónia que deve ser votado em breve.

PANTELIS SAITAS/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O primeiro-ministro Alexis Tspiras pediu ao parlamento grego que proceda “imediatamente” a um voto de confiança no seu Governo, após a renúncia de ministro da Defesa, opositor do novo nome da Macedónia que os deputados gregos devem votar em breve.

“Renovaremos imediatamente a confiança no nosso Governo (por votação) pelo parlamento, a fim de resolver as principais questões do nosso país”, disse o primeiro-ministro, depois de aceitar a renúncia de Panos Kammenos, principal aliado da coligação governamental.

Kammenos, líder do pequeno partido soberanista ANEL, anunciou este domingo renunciar ao cargo, antes da próxima votação parlamentar sobre o novo nome da Macedónia, ao qual se opõe.

“A questão da Macedónia não me permite não sacrificar a minha posição como” ministro, afirmou, anunciando a “retirada do Governo” de membros do seu partido, numa declaração em direto para as câmaras.

“Agradeci ao primeiro-ministro pela nossa cooperação e expliquei que, devido a essa questão nacional, não poderíamos continuar”, acrescentou.

Na sexta-feira, os deputados macedónios aceitaram rebatizar o país como “República da Macedónia do Norte”, numa votação histórica obtida pela maioria de dois terços e que abre caminho à resolução de um litígio com a Grécia.

Mas a mudança de nome só entra em vigor depois de os deputados gregos ratificarem o acordo assinado no verão pelos primeiros-ministros Zoran Zaev, da Macedónia, e Alexis Tsipras, da Grécia.

A votação em Atenas deve acontecer “dentro de dez dias”, segundo Alexis Tsipras.

Tsipras e o seu homólogo macedónio, Zoran Zaev, assinaram em junho o acordo de Prespa, que prevê a alteração da designação do país (Macedónia, ou Antiga república jugoslava da Macedónia, Fyrom), para “República da Macedónia do Norte”, mas a sua concretização ficou dependente da sua aprovação pelos parlamentos de Skopje e Atenas.

A alteração destina-se a terminar com um velho litígio de quase três décadas entre os dois vizinhos, e terminar com o veto grego à adesão da Macedónia à NATO e ao processo de aproximação com a União Europeia (UE).

Atenas exigia a mudança de nome por considerar que Macedónia faz parte do seu património histórico e só podia ser usado pela sua província com o mesmo nome.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)