Rádio Observador

Bombeiros

Bombeiros Sapadores em protesto tentam invadir o Ministério do Trabalho e da Segurança Social

Várias dezenas de bombeiros em protesto fecharam zona da Praça de Londres, em Lisboa, clamando por alterações na legislação. Contestam salários e idade de reforma.

LUSA

Dezenas de Bombeiros Sapadores tentaram invadir esta segunda-feira o Ministério do Trabalho e da Segurança Social, na Praça de Londres, em Lisboa. Tudo começou com um protesto previamente anunciado — já tinha havido uma outra manifestação em dezembro de 2018 — no qual os manifestantes pretendiam demonstrar o seu desagrado face às reformas do governo direcionadas à idade de reforma e aos salários destes profissionais.

Concentrados na zona da Praça de Londres, as várias dezenas de bombeiros “fecharam” a estrada e impediram a circulação. Gritando palavras de ordem e empunhando cartazes de reivindicação, os manifestantes tentaram forçar a barreira policial criada à porta do Ministério do Trabalho e da Segurança Social. Apesar do clima de tensão e de alguns empurrões entre bombeiros e os polícias que fizeram um cordão em torno da porta do Ministério, não foram registados confrontos graves.

Informações mais recentes dão conta que já está a decorrer uma reunião entre os responsáveis dos bombeiros e o ministério.

Na origem deste protesto estão dois decretos-lei, aprovados em outubro pelo Conselho de Ministros, que se debruçaram sobre o Estatuto dos Bombeiros Profissionais da Administração Local e o seu regime de aposentação. Segundo os sindicatos, a proposta do Governo é “um retrocesso grave em relação à legislação em vigor”, já que “desvaloriza salários, restringe” a “possibilidade de progressão remuneratória e penaliza a aposentação”.

Face a estas medidas, os bombeiros exigem que haja uma dignificação e valorização das suas carreiras, o direito a aposentação e reforma condigna, entre outras exigências — como a manutenção da carreira com atividade e funções de prestação permanente de socorro, distinguindo-se de outras carreiras que intervêm apenas na atividade funções de prevenção, nomeadamente de incêndios florestais.

Não restringir nem limitar a promoção às categorias e postos superiores, manter a idade de ingresso e os atuais limites de idade da carreira ou organizar o trabalho em regime de horário de 12 horas de prestação consecutivas, sem prejuízo da igualdade do período normal de trabalho de 35 horas semanais são outras das reivindicações dos bombeiros.

O resultado da reunião

O encontro entre os representantes dos Sapadores e do Ministério do Trabalho e da Segurança Social terminou por volta das 17h. Ao terminar, António Pascoal. representante sindicato dos bombeiros de Lisboa, prestou declarações à imprensa e deixou frisado que, apesar de não ter havido nascido “nenhum compromisso” desta reunião, o Governo mostrou-se recetivo a ouvir e analisar as reivindicações dos manifestantes. “Não ficou marcada nova reunião, ficámos de enviar toda a documentação à secretaria de estado da Segurança Social para ficarem a saber as nossas propostas”, anunciou o sindicalista. Só depois desta fase de análise é que será sugerida uma data para nova reunião negocial. Foi anunciada uma manifestação nacional de bombeiros municipais para esta quinta-feira, 17, em frente ao edifício onde se realiza o Conselho de Ministros.

O mesmo Pascoal afirmou ainda ter havido um compromisso por parte dos representantes do ministério para apresentar mais informação ao secretário de estado e ao Ministro da Administração Interna. “Vamos esperar que isto seja uma realidade”, afirmou.

“Se o Governo não arrepiar caminho, vamos manter os protestos já marcados”, concluiu António Pascoal. O representante afirmou ainda que “aparentemente há interpretações diferentes entre os ministérios sobre o novo estatuto dos bombeiros profissionais”, acrescentando que os bombeiros pediram para participar numa reunião conjunta com os ministérios.

A manifestação prossegue

O protesto dos Bombeiros Sapadores (envolve, pelo menos, duas corporações, a de Lisboa e a de Setúbal) mantém-se activo, mesmo depois da reunião entre os dirigentes sindicais e o ministério do Trabalho e da Segurança Social. Neste momento, a massa de manifestantes está a percorrer a Avenida Guerra Junqueiro e tudo indica que a zona do Rossio, no coração da Baixa, será o destino final. Entretanto já foi confirmado novo protesto no próximo dia 21 de janeiro.

Ao contrário do que era esperado, a manifestação acabou por se desmobilizar por volta das 17h30.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: dlopes@observador.pt
Combustível

O mundo ao contrário /premium

João Pires da Cruz

Se o seu depósito é mais importante do que aquilo que os pais deste bebé sentiram quando lhes disseram que o filho deles morreu instantes depois do nascimento, é porque tem o mundo ao contrário.

António Costa

O favor que Costa fez à direita /premium

Sebastião Bugalho

Nestes quatro anos, Costa normalizou tudo aquilo que a direita se esforçou por conquistar, o que levanta uma questão simples: o que poderá dizer o PS contra um futuro governo do centro-direita?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)