Rádio Observador

Saúde

Um em cada quatro trabalhadores chamados a junta médica considerado apto a trabalhar

198

Cerca de um quarto dos trabalhadores que são chamados a juntas médicas são considerados aptos para voltar para o trabalho, o que não significa que sejam situações de fraude, para Vieira da Silva.

Vieira da Silva, ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social

MÁRIO CRUZ/LUSA

Cerca de um quarto dos trabalhadores que estão de baixa por doença e são chamados a juntas médicas são considerados aptos a trabalhar, disse esta segunda-feira o ministro do Trabalho, considerando que o valor “tem-se mantido estável”.

Vieira da Silva falava à margem da cerimónia de assinatura do acordo coletivo de trabalho da Fundação INATEL, em Lisboa, em resposta a uma questão da Lusa sobre o aumento da despesa com os subsídios de doença verificado nos últimos anos.

Segundo o governante, neste momento, cerca de “25%” dos trabalhadores que são chamados a juntas médicas “são considerados aptos para voltar para o trabalho”, o que não significa que sejam situações de fraude, salientou. “Quando uma pessoa vai a uma junta médica, os médicos não vão dizer que a pessoa não esteve doente quando foi chamada. Só vão dizer se naquele momento elas estão em condições de voltar ou não ao trabalho”, reforçou o governante.

O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social acrescentou que o aumento da despesa com subsídios por doença nos últimos anos explica-se sobretudo com o crescimento do emprego. “Uma parte significativa do crescimento da despesa com a proteção na doença tem que ver com o aumento do número de trabalhadores”, disse Vieira da Silva, sublinhando que “não há uma percentagem maior do que aquela que existia de acesso à prestação social porque ela acompanha, de uma forma praticamente linear, o acréscimo da massa salarial”.

Segundo os dados da execução orçamental publicados pela Direção Geral Orçamento, até novembro a despesa com subsídios de doença foi de 517,5 milhões de euros, mais 10,2% face ao período homólogo, tendo o Governo inscrito no Orçamento do Estado para 2019 uma despesa de 600,1 milhões. O número total de beneficiários em novembro era de 139.038, ligeiramente inferior ao registado no período homólogo (140 mil), segundo as estatísticas da Segurança Social.

“Estamos estabilizados do ponto de vista da incidência do absentismo por razões de doença”, disse Vieira da Silva, salientando, porém, que há regiões ou setores onde “a percentagem é talvez mais intensa do que a que seria desejável”, sem adiantar exemplos.

Questionado sobre as alterações anunciadas há mais de um ano com o objetivo de fiscalizar as baixas por doença, o ministro disse que o Governo continua a trabalhar nesse sentido, sublinhando contudo que é um processo complexo. “Estamos a trabalhar e a desenvolver outros critérios que têm que ver com indicadores de risco em setores de atividade com a trajetória de cada um, mas é um processo mais complexo do que aquela métrica que temos, que é aos 30 dias todos termos de ser chamados [a junta médica]”, defendeu Vieira da Silva.

Em outubro de 2017, o ministro anunciou que a fiscalização às baixas por doença iria ser melhorada e aprofundada com novos critérios de controlo para que o combate à fraude fosse mais eficaz. “O Governo não está satisfeito com os resultados obtidos nesse combate [à fraude nas baixas por doença] e vai melhorá-lo, aprofundá-lo e eventualmente mudar face ao modelo dos últimos anos”, afirmou Vieira da Silva na altura.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)