Nicolás Maduro

Venezuela. Maduro diz que Bolsonaro é um “Hitler dos tempos modernos”

1.714

Nicolás Maduro condenou as iniciativas económicas que Bolsonaro tomou desde a sua chegada à presidência. Além disso, o Presidente da Venezuela pediu o apoio do país para "limpar" as empresas públicas.

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro

AFP/Getty Images

Autor
  • Agência Lusa

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, afirmou esta segunda-feira que o seu homólogo brasileiro, Jair Bolsonaro, é um “Hitler dos tempos modernos” e condenou as iniciativas económicas que tomou desde a sua chegada à presidência do Brasil.

“Temos o Brasil nas mãos de um fascista (…). Bolsonaro é um Hitler dos tempos modernos. O que ele não tem é coragem ou decisão própria, é um fantoche de grupos e seitas”, disse Nicolás Maduro.

Apesar de ter criticado as “privatizações” de Bolsonaro, o Presidente da Venezuela salientou que são os brasileiros que têm de se preocupar com estas questões. “O povo brasileiro vai encarregar-se dele, vamos deixar o tema Bolsonaro para o belo povo brasileiro, que vai lutar e vai encarregar-se dele”, salientou.

Jair Bolsonaro, que assumiu a presidência brasileira no dia 1 de janeiro, acredita que a Venezuela vive numa “ditadura” e reiterou o seu total apoio à Assembleia Nacional (controlada pela oposição), “órgão constitucional eleito democraticamente”.

Já Maduro, que tomou posse para um segundo mandato na quinta-feira perante o Supremo Tribunal no meio de vozes críticas que não reconhecem a sua legitimidade, acusou o seu homólogo de receber ordens dos Estados Unidos da América, “para provocações militares no sul da Venezuela”, na fronteira dos dois países.

Maduro também criticou  esta segunda-feira o Presidente colombiano, Ivan Duque — outro adversário político que o aponta como ilegítimo -, a quem chamou de “demónio e a personificação do mal”.

Nicolás Maduro promete “mão de ferro” contra funcionários traidores e corruptos

Maduro disse também esta segunda-feira que castigará com “mão de ferro” os funcionários públicos que traiam o seu juramento e os que usam uma “t-shirt vermelha” (cor da revolução) para atos de corrupção. “A mim não me tremerá o pulso, com ninguém, que o saibam. Conto com o apoio do povo e das Forças Armadas Bolivarianas. Ninguém nos deterá e de cada show sairemos mais fortes, de cada ataque sairemos mais fortes”, disse.

Nicolás Maduro falava na Assembleia Constituinte (composta unicamente por simpatizantes do seu regime). “Peço o apoio de todo o país para limpar todas as empresas públicas. Assumo a responsabilidade, digam de mim o que quiserem dizer, aqui estou para enfrentar com coragem a corrupção nas empresas públicas”, disse.

O Presidente venezuelano referiu-se também à breve detenção, domingo, do deputado Juan Guaidó, novo presidente do Parlamento, onde a oposição detém a maioria, insistindo que foi um show preparado pela oposição e que foram detidos os funcionários dos serviços secretos envolvidos. Segundo Nicolás Maduro, foi um show para a televisão gringa (norte-americana), europeia e mundial, de opositores que buscam escalar uma intervenção no país.

O Presidente venezuelano disse que Guiadó “foi retido, num facto estranho, por um grupo de funcionários” e que, assim que teve conhecimento do que tinham feito, ordenou de imediato “que fossem submetidos a um regime disciplinar e que fossem entregues à Procuradoria-Geral da República, que fossem destituídos por prestar-se a um show mediático contra os interesses nacionais”.

“Assim vou atuar com qualquer funcionário que traia o juramento público, qualquer funcionário que se preste, seja quem for, apresente-se onde se apresentar, mão de ferro à traição e à corrupção”, vincou.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)