A Coreia do Sul deixou de apelidar os militares norte-coreanos de “inimigos” no documento bienal da Defesa divulgado esta terça-feira, num aparente esforço para prosseguir a reconciliação com Pyongyang.

O documento oficial do Ministério da Defesa sul-coreano não inclui os habituais rótulos “inimigo, principal inimigo ou atual inimigo”.

As terminologias têm sido uma fonte de animosidade entre as Coreias, com o Norte a descrevê-las como provocações que demonstram o quão “hostil” é Seul.

A Coreia do Sul chamou pela primeira vez a Coreia do Norte de “principal inimigo” em 1995, um ano depois de Pyongyang ter ameaçado transformar Seul num “mar de fogo”.

A decisão divulgada esta terça-feira surge na altura em que os líderes dos Estados Unidos e da Coreia do Norte procuram realizar uma segunda cimeira, durante a qual Kim Jong-un já disse esperar obter resultados que resolvam o impasse nuclear na península coreana.