Cabo Verde

Ministro da Cultura de Cabo Verde assume responsabilidade na polémica dos quadros eróticos

O ministro da Cultura cabo-verdiano afirma que o culpado é quem promoveu a exposição e, por isso, assume a responsabilidade da polémica da retirada de quadros eróticos de uma exposição no parlamento.

Abraão Vicente, ministro da Cultura e Indústrias Criativas cabo-verdiano

JOSE SOUSA DIAS/LUSA

O ministro da Cultura e Indústrias Criativas cabo-verdiano, Abraão Vicente, considerou esta terça-feira que, a existir um culpado na polémica da retirada de quadros eróticos de uma exposição no parlamento, será o seu ministério.

“Se se está a procurar um culpado nessa polémica, o culpado é quem promoveu a exposição. Neste caso, o próprio Ministério da Cultura e das Indústrias Criativas que fez a curadoria através da Direção Geral das Artes e Indústrias Criativas”, lê-se numa mensagem de Abraão Vicente na sua página na rede social Facebook.

Em causa estão dois quadros de cariz erótico, do artista Tchalê Figueira, que estavam expostos no átrio da Assembleia Nacional de Cabo Verde durante as celebrações do Dia da Liberdade, no domingo, e que foram retiradas. A Assembleia Nacional de Cabo Verde fez saber esta terça-feira, através de um comunicado, que na base desta decisão esteve o facto de estarem presentes várias crianças e adolescentes.

Tchalê Figueira “fez aquilo que é o papel do artista: romper paradigmas, provocar debate, sacudir o politicamente correto”, escreveu Abraão Vicente. “Só quem não conhece a obra e o percurso de Tchalê Figueira pode ficar escandalizado pelos dois quadros. A sexualidade, o erotismo, a provocação, sempre estiveram presentes na obra de Tchalê”, prossegue o ministro.

Para o governante, “nem Tchalê Figueira, nem qualquer outro artista deve adaptar a sua obra aos contextos expositivos. A obra do artista deve ser um hino à liberdade de expressão e de pensamento. As instituições têm-se de preparar para aceitar de forma aberta todas as formas de manifestação artística e para isso é preciso que tenham pessoal técnico e estrutura preparado para tal”.

Abraão Vicente considera que esta preparação passa por “estabelecer ad inicium regras próprias e comunicá-las”. “O que não se pode é promover a retirada de quadros de uma exposição já inaugurada sem que ninguém assuma a responsabilidade, deixando um limbo onde todas as divagações demagógicas são permitidas. O artista merece o nosso respeito e tem de ser tratado com toda a dignidade”, declarou.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)