O grupo francês PSA vendeu em 2018 um recorde de 3.877.765 automóveis no mundo, mais 6,8% do que em 2017, o que é explicado pela integração nas suas contas das marcas Opel/Vauxhall compradas à norte-americana General Motors.

A integração nas contas ocorreu em agosto de 2017 e nos últimos cinco meses daquele ano foram vendidos 403.933 veículos Opel/Vauxhall, enquanto nos 12 meses de 2018 se venderam 1.038.057 automóveis, afirmou a empresa francesa, em comunicado.

Nas outras três marcas da PSA, o que mais se destacou foi o declínio de 17,91% da Peugeot, com 1.740.214 unidades, juntamente com uma ligeira queda de 0,89% da Citroën (1.046.229) e um ligeiro aumento de 0,77% da DS (53.265).

Por regiões, e porque a Opel/Vauxhall tem uma presença essencialmente europeia, foi neste continente que a PSA teve a progressão mais significativa, de 30,59%, para 3.106.160 veículos.

Neste caso, todas as marcas do grupo francês cresceram na Europa, designadamente 4,93% a Peugeot (1.231.327), 4,96% a Citroën (824.623) e 6,67% a DS (46.013). A Opel/Vauxhall contabilizou 1.004.197 matrículas nos 12 meses de 2018, contra 376.380 nos últimos cinco de 2017.

A empresa sublinha ainda que a sua quota de mercado europeu aumentou para 17,1% no final de 2018, o que significa 3,8 pontos a mais do que no final de 2017, quando geriu de forma “excelente” a passagem para a nova norma de emissões WLTP graças a uma oferta de veículos adaptados e menos poluentes.

Essa quota de mercado aumentou 4,2 pontos em Espanha, 2,6 em França, 3,9 em Itália, 4,8 no Reino Unido e 3,7 na Alemanha.

Fora da Europa, a PSA sofreu um revés de 32,2% na China e no Sudeste Asiático, com 262.583 veículos, de 52,8% no Oriente Médio e na África, com 291.998, e 15% na América Latina, com 175.257.

Só na China, a queda foi de 34,2%, quando o mercado daquele país caiu globalmente dois pontos percentuais.

A PSA disse ainda que está a trabalhar com os seus parceiros neste país asiático para superar a situação e citou em particular a sua estratégia de eletrificação com a marca Fukang, que será seguida pela implantação de outros modelos elétricos da Peugeot, Citroën e DS.

Na América Latina, o mau comportamento esteve relacionado principalmente com o colapso do mercado argentino no segundo semestre (-32%), mas também com as “dificuldades” no Brasil, que não puderam ser compensadas com os aumentos no Chile, México, Colômbia, Peru, Uruguai e Equador.

Em relação às regiões do Médio Oriente e África, os resultados foram prejudicados pela suspensão da atividade no Irão, devido às sanções dos Estados Unidos, e pelo recuo no mercado turco.

As vendas da PSA cresceram 1,6% na região da Índia-Pacífico, com 26.479 veículos, e 0,5% na Eurásia (conjunto Europa/Ásia), com 15.288.

No mercado dos veículos de transporte de mercadorias, a empresa francesa alcançou no ano passado um novo recorde de registos em todo o mundo, com 564.147, e um aumento de 18,3%, o que atribuiu à renovação da sua gama.