Rolls-Royce

A Rolls ainda não vendeu nenhum Cullinan… de base

O CEO da marca britânica, Torsten Müller-Ötvös, resolveu partilhar informações curiosas em relação aos seus clientes. Ficou a saber-se que a Rolls-Royce, “até hoje, nunca vendeu um Cullinan de base”.

Na apresentação dos resultados de 2018, Torsten Müller-Ötvös, o CEO da Rolls-Royce, começou por recordar que mais de 90% dos veículos comercializados pela marca que dirige estão equipados com tantas soluções extra, de dispositivos a revestimentos, que quase podem ser considerados execuções especiais. E se está pensar que este é um valor incrivelmente elevado, o CEO esclarece que os 90% disparam para 99% quando se fala especificamente do Phantom, e atingem os 100% em relação ao Cullinan. Até hoje, a Rolls não vendeu uma única unidade do SUV que não estivesse “carregadinha” com uma extraordinária dose de equipamento.

É bom ter presente que nenhum Rolls-Royce é proposto de série sem uma lista tão invejável quanto interminável de miminhos. Todas as versões têm comandos eléctricos em tudo o que mexe ou pode mexer, bancos e portas revestidos a pele, além de um relógio no tablier que é mais caro do que muitos automóveis. Ainda assim, não falta quem queira personalizar o seu veículo com um tipo específico de pele de crocodilo, ou de avestruz, idealmente quanto mais rara (e cara) melhor, por vezes recorrendo a ouro e até a diamantes.

Na inclusão de extras residirá a explicação para o facto de o fabricante inglês, em 2016, ter comercializado 80% dos veículos com um valor 20% superior ao da tabela de preços, com este incremento a ter disparado para 40% em 2018. Curiosamente, o SUV Cullinan é aquele onde os clientes mais gostam de investir uns milhares de euros a mais, o que obviamente a Rolls-Royce agradece, bem como o Grupo BMW a que pertence.

Participe nos Prémios Auto Observador e habilite-se a ganhar um carro

Vote na segunda edição do concurso dedicado ao automóvel cuja votação é exclusivamente online. Aqui quem decide são os leitores e não um júri de “especialistas” e convidados.

Participe nos Prémios Auto ObservadorVote agora

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)