A Polícia angolana anunciou esta quarta-feira que quer focar, este ano, as suas atividades na revisão e atualização do modelo de policiamento nas zonas urbanas, periféricas, suburbanas e rurais, bem como na unidade e disciplina dos seus efetivos.

Os desafios para 2019 foram apresentados pelo Comandante-Geral da Polícia Nacional de Angola, Paulo de Almeida, na abertura do Conselho Consultivo Alargado daquele órgão do Ministério do Interior.

Relativamente ao ano de 2018, Paulo de Almeida disse que terminou “em alta”, apesar de ser necessário corrigir ainda “muita coisa”.

“O mais importante foi conseguirmos conter e reduzir a tendência ascendente do crime em Angola, por isso convocámos esta reunião logo no início do ano, para diagnosticar o que fizemos, vivemos e concluímos de 2018, em termos de situação e segurança pública em geral”, indicou Paulo de Almeida.

Segundo o Comandante-Geral da Polícia Nacional, em função dos resultados de 2018, é uma meta para a Polícia “baixar ou reduzir ainda mais os índices criminais no país”, elevando para o efeito a sua eficiência e resposta policial.

Para 2019, a polícia pretende também dar atenção à formação do pessoal a distintos níveis, reorganizar e melhorar o funcionamento e atendimento nas esquadras e postos policiais, melhorar a proteção e de defesa dos polícias que garantem a ordem e tranquilidade públicas.

Paulo de Almeida disse ainda que a polícia espera, “com muita ansiedade”, a aprovação da proposta do Regulamento Orgânico da Polícia Nacional, bem como do Projeto de Lei de Base da Polícia Nacional e do Estatuto do Polícia.

Segundo o Comandante-Geral da Polícia Nacional, são instrumentos valiosos e necessários para uma boa gestão e controlo de toda a organização e funcionamento da polícia.

“No momento atual, precisamos de melhorar a nossa estrutura funcional, para sermos mais eficientes e proativos, precisamos definir bem o nosso papel, lugar e competências, os atuais instrumentos normativos e jurídicos que regem a nossa atividade já não dão resposta às nossas preocupações”, disse.

Para os próximos dias, Paulo de Almeida garantiu que a Polícia vai continuar a “pôr ordem” na cidade, com a retomada da “Operação Resgate”.

“Sabemos de algumas renitências, desobediências e retornos, de algumas teimosias de voltar ao passado, quero garantir que vamos pôr ordem nos próximos tempos”, referiu.