É uma história que teve um final feliz, mas sobre a qual há ainda muitas questões por responder. Carlos Reis, o praticante de bodyboard que estava dado como desaparecido há 10 dias na Costa da Caparica, apareceu e está junto da família, disse esta quarta-feira à Lusa fonte da Autoridade Marítima Nacional. No entanto, diz o Correio da Manhã, o bodyboarder regressou a casa como se nada se tivesse passado e a não foi dada qualquer explicação sobre o seu desaparecimento.

“Recebemos essa informação pela hora de almoço [de quarta-feira] através de um telefonema da família”, referiu ao Correio da Manhã o capitão do Porto de Lisboa, Coelho Gil, adiantando que “não foi dada qualquer explicação” para o desaparecimento de Carlos Reis.

Segundo a informação do comandante Pereira da Fonseca à agência Lusa, as autoridades estão agora a recolher “todos os elementos possíveis” para depois entregar ao Ministério Público. O responsável explicou que pelas 12h00 de terça-feira os familiares informaram as autoridades que o homem tinha aparecido e que estava já em casa, “de boa saúde”.

O praticante de bodyboard desapareceu no passado dia 6 numa das praias da Costa da Caparica, depois de ter saído de casa pelas 8h00 com a prancha e um muda de roupa no carro em que se dirigiu para a praia. Desde aí não deu mais sinal de vida. Ao final da tarde, as autoridades, depois de alertadas por um familiar, desencadearam de imediato uma operação de busca por mar e por terra. Nos primeiros quatro dias, chegaram a ser mobilizados meios especiais da Marinha, da Força Aérea e dos Bombeiros, numa operação de busca “preventiva”, tendo em conta que não se sabia se Carlos Reis tinha desaparecido na água.

Mais tarde, a Polícia Marítima acabou por detetar o carro do bodyboarder na zona urbana da Costa da Caparica. Desconhece-se onde Carlos Reis esteve, nem foi dada qualquer explicação. “Estamos a elaborar o expediente sobre o caso, que será oportunamente remetido para o Ministério Público que decidirá o que fazer”, disse ainda o comandante Coelho Gil.