Rádio Observador

Luxemburgo

É oficial: Luxemburgo vai mesmo ter transportes públicos gratuitos a partir de março do próximo ano

2.448

O objetivo é ajudar a combater o grande fluxo de trânsito no país e incentivar ao uso de alternativas mais amigas do ambiente. Jovens até aos 20 anos já tinham direito a transporte grátis.

Apesar de ainda existirem algumas questões por responder -- como por exemplo o aumento do custo desta mudança para os cofres do Estado --, já é conhecido que a medida vai mesmo avançar

AFP/Getty Images

A intenção tinha sido noticiada em dezembro do ano passado, mas agora é oficial: a partir de março de 2020, Luxemburgo vai mesmo ser o primeiro país a ter transportes públicos gratuitos para toda a população. O governo de coligação do Grão-Ducado do Luxemburgo, liderado por Xavier Bettel, tinha definido a preservação do meio ambiente como uma das prioridades e promessas durante a mais recente campanha eleitoral.

Apesar de ainda existirem algumas questões por responder — como, por exemplo, o aumento do custo desta mudança para os cofres do Estado e a continuação das viagens de primeira e segunda classe –, já é conhecido que a medida vai mesmo avançar, diz a CNN. Os detalhes do projeto deverão ser anunciados na próxima segunda-feira, dia 21, numa conferência de imprensa que o ministro da Mobilidade e Obras Públicas agendou para falar sobre o assunto.

O objetivo da medida passa por combater o grande fluxo de trânsito no país (um dos maiores congestionamentos na Europa), tendo em conta que incentiva ao uso de transportes públicos e, assim, a diminuição do uso de carros individuais, e ajuda a aumentar o uso de uma solução de mobilidade mais amiga do ambiente. Será a capital luxemburguesa, com mais de 100 mil habitantes e 400 mil pessoas que se deslocam diariamente, uma das maiores beneficiadas com a decisão de tornar as viagens de comboios, autocarros e elétricos grátis. Segundo o The Guardian, em 2016 um estudo concluiu que os condutores passaram cerca de 33 horas retidos em filas no trânsito.

Anualmente, o serviço de transportes públicos no Luxemburgo gera 40 milhões de euros por ano em vendas de títulos de transporte, de acordo com dados do ministério. Mas, ao mesmo tempo, traz custos de cerca de 491 milhões de euros anuais, o que torna a questão das despesas a mais abordada com esta decisão. “O Luxemburgo está em boa forma e nós, o governo, queremos que as pessoas beneficiem do bom estado da economia”, afirmou Dany Frank, porta-voz do Ministério da Mobilidade e Obras Públicas luxemburguês.

Esta não é a primeira decisão relativa à abolição dos bilhetes para transportes públicos que Luxemburgo toma. Desde o dia 1 de agosto do ano passado, uma nova lei definiu que todas as crianças e jovens com menos de 20 anos, estudantes ou não, passaram a poder viajar gratuitamente em comboios, elétricos e autocarros. Já os passageiros comuns precisam apenas de pagar dois euros para cerca de duas horas de viagem, o que, num país mais pequeno como é o Luxemburgo, permite cobrir quase qualquer viagem.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)