A DEA, a agência antidrogas dos EUA (na sigla inglesa “Drug Enforcement Administration”), poderá vir a esconder câmaras de vigilância em aspiradores, de acordo com dados de contratos federais divulgados e tornados públicos.

A Denair, empresa sediada na Califórnia de serviços especiais — Special Services Group –, registou um pedido de compra da agência norte-americana com o valor de 42.595 dólares (cerca de 37 mil euros) no final de novembro. A descrição do pedido aponta para um aspirador que teria nele escondido uma câmara de vigilância da Canon, no modelo M50B.

A Canon, por seu turno, descreve a câmara M50B com uma tecnologia de alta sensibilidade que “capta vídeos com níveis de cor e nitidez notáveis, mesmo em ambientes pouco iluminados”. O modelo é vendido no mercado a cerca de 3.400 dólares (quase 3 mil euros).

A aquisição das câmaras de vigilância está a ser financiada pelo Escritório de Tecnologia de Investigação da DEA e, de acordo com o Quartz, é provável que o equipamento esteja destinado a ajudar os agentes em operações específicas de apreensão de drogas, embora não haja certezas de nada.

Contratos assinados no passado entre a DEA e a Special Services Group sugerem que a empresa californiana trabalha com a agência norte-americana em diferentes competências. Entre elas, encontram-se registados pedidos para “serviços especiais”, aparelhos GPS ocultos e também “serviço de pistas secretas anuais” (sigla em inglês de “Global Positioning System”).

A empresa da Califórnia descreve-se no seu site como “fornecedora de soluções técnicas para agências policiais, militares e governamentais dos EUA e acrescenta: “Devido às missões críticas dos nossos clientes, optamos por não colocar as informações dos nossos produtos no site”.

Não se sabe, porém, ao certo a relação entre as tuas entidades e em que termos é que elas colaboram uma com a outra. Tanto a Special Services Group como a DEA recusaram fazer comentários.