Rádio Observador

Holanda

Mais de duas dezenas de filmes portugueses no Festival de Cinema de Roterdão

"Anteu", "Alva" e "Bring me the head of Carmen M.", serão alguns dos filmes em exposição na 48ª edição do Festival Internacional de Cinema de Roterdão, que decorre de 23 de janeiro a 3 de fevereiro.

O festival começa na próxima semana na Holanda

JOSE COELHO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Mais de duas dezenas de filmes portugueses e uma coprodução portuguesa estão na programação da 48.ª edição do Festival Internacional de Cinema de Roterdão, que começa na próxima semana, na Holanda, e inclui uma retrospetiva do realizador Edgar Pêra.

Na secção Bright Future serão exibidos “Anteu”, de João Vladimiro (em competição pelo prémio Amondo Tiger Short), “Alva”, de Ico Costa, “Bring me the head of Carmen M.”, de Felipe Bragança e Catarina Wallenstein, e a coprodução portuguesa “Terril”, de Bronte Stahl, de acordo com a programação completa do festival, divulgada esta quarta-feira.

A secção Voices Short integra “Casa de Vidro”, de Filipe Martins, e a Perspectives inclui “Diamantino”, de Gabriel Abrantes e Daniel Schmidtt, e “KINOMARA — Cinema fora de órbita”, de Edgar Pêra.

Este último realizador é alvo de uma retrospetiva, no âmbito da qual serão exibidos 21 filmes e um cine-concerto.

A retrospetiva “Edgar Pêra” inclui três programas: Early Work (Primeiros Trabalhos, em português), onde serão exibidas as primeiras ‘curtas’ do realizador, para se “descobrir a(s) declaração (ões) de missão por detrás do seu cinema”, Where masses chant (Onde as massas cantam), que “celebra todas as coisas que fazemos juntos — e os seus perigos”, e Visions in concrete and stone (Visões de cimento e pedra), “dedicado à arquitetura portuguesa, explorando as ruínas do futuro, visões do passado e desastres atuais”.

A lista de filmes inclui a estreia internacional do trabalho mais recente do realizador, “Caminhos Magnétykos”, inspirado na obra de Branquinho da Fonseca, “A Cidade de Cassiano”, sobre Cassiano Branco, Grande Prémio do Filme de Arquitetura Festival de Cinema de Bordéus, em 1992, “Manual de Evasão LX94”, rodado para a Lisboa Capital Europeia da Cultura 1994, e “Lisbon Revisited”, com textos de Fernando Pessoa.

Além disso, será apresentado o cine-concerto 3D LoveCraftLand, com The Legendary Tigerman, estreado em agosto numa sessão de ‘aquecimento’ do Motelx — Festival Internacional de Cinema de Terrror de Lisboa.

No cine-concerto, com música ao vivo de Randolph Carter (The Legendary Tigerman), intervenção de Iris Cayatte e Dominique Pinon e ‘live camera’, filmes e manipulação a cargo de Edgar Pêra, misturado ao vivo por Cláudio Vasques, são usados textos do escritor norte-americano H.P. Lovecraft.

Edgar Pêra, de 58 anos, que começou a trabalhar em cinema na década de 1980, soma mais de três dezenas de filmes, entre documentários e ficções, curtas e longas-metragens, e conta com diversos prémios, como o Pasolini de carreira, atribuído em Paris, em 2006.

Na secção Deep Focus da 43.ª edição do Festival Internacional de Cinema de Roterdão, que integra a retrospetiva Edgar Pêra, será ainda exibido o filme “Sombra Luminosa”, de Mariana Caló e Francisco Queimadela.

A secção Voices Short inclui também “Mabata bata”, do moçambicano Sol de Carvalho, a partir de uma obra de Mia Couto.

O Festival Internacional de Cinema de Roterdão decorre de 23 de janeiro a 3 de fevereiro.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eutanásia

Pothoven, laissez-faire e a morte anunciada

António Graça Moura
143

Pothoven ficar-me-á sempre na memória como um símbolo, pelas reações que espoletou, duma sociedade pós-moderna que privilegia as soluções mais imediatas. E que o sistema que a devia ter apoiado falhou

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)