Mais de duas dezenas de filmes portugueses e uma coprodução portuguesa estão na programação da 48.ª edição do Festival Internacional de Cinema de Roterdão, que começa na próxima semana, na Holanda, e inclui uma retrospetiva do realizador Edgar Pêra.

Na secção Bright Future serão exibidos “Anteu”, de João Vladimiro (em competição pelo prémio Amondo Tiger Short), “Alva”, de Ico Costa, “Bring me the head of Carmen M.”, de Felipe Bragança e Catarina Wallenstein, e a coprodução portuguesa “Terril”, de Bronte Stahl, de acordo com a programação completa do festival, divulgada esta quarta-feira.

A secção Voices Short integra “Casa de Vidro”, de Filipe Martins, e a Perspectives inclui “Diamantino”, de Gabriel Abrantes e Daniel Schmidtt, e “KINOMARA — Cinema fora de órbita”, de Edgar Pêra.

Este último realizador é alvo de uma retrospetiva, no âmbito da qual serão exibidos 21 filmes e um cine-concerto.

A retrospetiva “Edgar Pêra” inclui três programas: Early Work (Primeiros Trabalhos, em português), onde serão exibidas as primeiras ‘curtas’ do realizador, para se “descobrir a(s) declaração (ões) de missão por detrás do seu cinema”, Where masses chant (Onde as massas cantam), que “celebra todas as coisas que fazemos juntos — e os seus perigos”, e Visions in concrete and stone (Visões de cimento e pedra), “dedicado à arquitetura portuguesa, explorando as ruínas do futuro, visões do passado e desastres atuais”.

A lista de filmes inclui a estreia internacional do trabalho mais recente do realizador, “Caminhos Magnétykos”, inspirado na obra de Branquinho da Fonseca, “A Cidade de Cassiano”, sobre Cassiano Branco, Grande Prémio do Filme de Arquitetura Festival de Cinema de Bordéus, em 1992, “Manual de Evasão LX94”, rodado para a Lisboa Capital Europeia da Cultura 1994, e “Lisbon Revisited”, com textos de Fernando Pessoa.

Além disso, será apresentado o cine-concerto 3D LoveCraftLand, com The Legendary Tigerman, estreado em agosto numa sessão de ‘aquecimento’ do Motelx — Festival Internacional de Cinema de Terrror de Lisboa.

No cine-concerto, com música ao vivo de Randolph Carter (The Legendary Tigerman), intervenção de Iris Cayatte e Dominique Pinon e ‘live camera’, filmes e manipulação a cargo de Edgar Pêra, misturado ao vivo por Cláudio Vasques, são usados textos do escritor norte-americano H.P. Lovecraft.

Edgar Pêra, de 58 anos, que começou a trabalhar em cinema na década de 1980, soma mais de três dezenas de filmes, entre documentários e ficções, curtas e longas-metragens, e conta com diversos prémios, como o Pasolini de carreira, atribuído em Paris, em 2006.

Na secção Deep Focus da 43.ª edição do Festival Internacional de Cinema de Roterdão, que integra a retrospetiva Edgar Pêra, será ainda exibido o filme “Sombra Luminosa”, de Mariana Caló e Francisco Queimadela.

A secção Voices Short inclui também “Mabata bata”, do moçambicano Sol de Carvalho, a partir de uma obra de Mia Couto.

O Festival Internacional de Cinema de Roterdão decorre de 23 de janeiro a 3 de fevereiro.