Manifestações

Plataforma Pela Reposição das Scut na A23 e A25 anuncia novas ações de protesto

A primeira manifestação está prevista para dia 16 de fevereiro, em Castelo Branco. Para o início de maio, a Plataforma pretende organizar uma grande iniciativa junto à fronteira com Espanha.

Plataforma de Entendimento para a Reposição das Scut integra sete entidades dos distritos de Castelo Branco e da Guarda

ANTÓNIO JOSÉ/LUSA

A Plataforma Pela Reposição das Scut na A23 e A25 anunciou esta quarta-feira novas ações de protesto e reafirmou o seu descontentamento face à decisão do Governo de reduzir o valor das portagens apenas para veículos de mercadorias.

Em comunicado enviado à agência Lusa, a Plataforma Pela Reposição das Scut explica que reuniu para avaliar a mais recente decisão do Governo de reduzir o valor das portagens para os veículos de mercadorias, aplicando ainda um desconto adicional de 25% para as empresas sediadas em territórios de baixa densidade.

Reafirmam que estas medidas, sendo já resultado da pressão que têm feito, “são insuficientes” e defendem que a redução progressiva “deve ser aplicada a todos os utentes sem exceção”.

“Face a este descontentamento, a Plataforma agendou novas ações públicas de protesto pela suspensão das portagens na A23 e A25, a terem lugar em vários pontos da região e junto à fronteira com Espanha, em datas a anunciar brevemente”, lê-se na nota.

Adiantam ainda que a primeira manifestação está prevista para dia 16 de fevereiro, junto à nova Secretaria de Estado pela Valorização do Interior, em Castelo Branco.

Manifestam a sua “total disponibilidade” para voltar a ser recebidos pelo secretário de Estado, João Paulo Catarino.

Para o início de maio, a Plataforma pretende organizar uma grande iniciativa junto à fronteira com Espanha. Esta iniciativa irá contar com a colaboração e a participação de sindicatos e dos trabalhadores que representam, associações empresariais, empresas e a comunidade de ambos os lados da fronteira.

Segundo a Plataforma, será uma ação de protesto pelos custos praticados nas autoestradas portuguesas e esperam que o impacto “tenha repercussão e seja levado a sério”.

A Plataforma integra sete entidades dos distritos de Castelo Branco e da Guarda, nomeadamente a Associação Empresarial da Beira Baixa, a União de Sindicatos de Castelo Branco, a Comissão de Utentes Contra as Portagens na A23, o Movimento de Empresários pela Subsistência pelo Interior, a Associação Empresarial da Região da Guarda, a Comissão de Utentes da A25 e a União de Sindicatos da Guarda.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)