O eurodeputado Paulo Rangel desmentiu esta quarta-feira, através do Twitter, que tenha tido um encontro com o líder do PSD na última quinta-feira, onde Rui Rio o teria convidado para cabeça-de-lista às eleições Europeias. A informação tinha sido avançada pela edição em papel do Correio da Manhã, mas Rangel garante que “neste ano novo de 2019, ainda não estive com o presidente do PSD“. Em declarações ao Observador, Paulo Rangel reitera que “até ao momento não houve nenhum convite” para ser cabeça de lista e que ainda não se encontrou com o presidente do partido este ano.

No tweet, Paulo Rangel questiona se a notícia será “criatividade jornalística” ou das fontes e classifica a informação como “fake news”. Pouco depois do desmentido de Rangel, o próprio presidente do PSD, Rui Rio, apoiou a queixa do eurodeputado com uma resposta a esse mesmo tweet: “Vale tudo. Como é possível?“.

Rui Rio acusou deixou ainda uma espécie de conselho envenenado ao diário: “Enganar os leitores não é a melhor forma de subir nas vendas”.

A irritação de Rio e Rangel é grande, uma vez que a notícia do Correio da Manhã daria a ideia para a estrutura que — um dia antes do anúncio de Montenegro e de Rangel falar na TVI — o apoio do eurodeputado tinha sido “comprado” nesta alegada reunião com a oferta deste cargo. Sobre se é essa leitura que o deixa mais incomodado, Rangel responde apenas que não vai “contribuir para um abaixamento do nível do discurso e das discussões políticas“.

No ataque interno de que Rui Rio está a ser alvo, Paulo Rangel tem criticado a manobra dos apoiantes de Luís Montenegro e elogiou o líder, tendo dito no sábado que Rio demonstrou “coragem” e “bom senso” ao ter apresentado uma moção de confiança e não ter convocado diretas. Esta quarta-feira, ao Observador, Rangel explicou que só se tem pronunciado sobre “questões de princípio” e que o seu entendimento sobre esta matéria “não tem a ver com pessoas“. O eurodeputado diz ainda não querer entrar na discussão “mais pequenina“, mas insiste que “uma situação destas é negativa para o partido porque o expõe de forma negativa“.

Paulo Rangel foi o candidato do PSD às eleições Europeias de 2009 e 2014.