Terrorismo

Sobrevivente do 11 de setembro morreu no atentado no Quénia

7.722

Jason Spindler sobreviveu ao ataque às torres gémeas de 2001 e ajudou a retirar vítimas dos escombros. Morreu esta semana, no ataque terrorista em Nairobi.

Um dos sobreviventes dos ataques da Al Qaeda às Torres Gémeas, a 11 de setembro de 2001, em Nova Iorque, é uma das vítimas do atentado terrorista na capital do Quénia, esta terça-feira, e que fez pelo menos 21 mortos.

Jason Spindler completava 41 anos na próxima segunda-feira. Mas, mais de uma década e meia depois de ter sobrevivido ao mais mortífero ataque terrorista em solo norte-americano, acabou por ser uma das vítimas do Al Shabab, uma célula da organização terrorista Al Qaeda que lançou um ataque a um hotel de Nairobi.

Nesse primeiro ataque em que se viu envolvido, e que atingiu as Torres Gémeas (e o Pentágono), Jason estava no local errado à hora errada. Mas escapou. Enquanto muitos tentavam afastar-se o mais rapidamente possível dos escombros deixados pelo desabamento das duas torres, o então funcionário de um banco de investimento seguiu disparado na direção oposta.

Entrou pelo amontoado de betão e de ferros retorcidos e, um a um, começou a retirar os corpos que ia encontrando pelo caminho. A história é contada ao The Washington Post por um colega de casa de Spindler, Kevin Yu.

Esse é exatamente o tipo de pessoa que ele é. Quando ouvimos explosões ou disparos, muita gente começa de imediato a fugir. O instinto dele era o oposto — ele salta nessa direção”, disse Yu.

Dezassete anos depois desse momento traumático, o improvável haveria de acontecer. Jason Spindler estava na capital do Quénia, exatamente no hotel que os elementos da célula terrorista Al-Shabab decidiram atacar.

A notícia foi confirmada pela própria mãe de Spindler. “Vamos todos sentir muito a falta dele”, disse Sarah Spindler à NBC. “É tão triste que uma pessoa tão nova e inspiradora tenha sido levada pelo terrorismo. Ele estava a tentar fazer mudanças positivas em mercados emergentes do terceiro mundial”, contou a mãe, citada pela BBC.

Natural de Houston, Spindler tinha dois irmãos, ambos mais novos. Era uma “bola de energia” que esteve no Peru como voluntário ao serviço do Corpo da Paz norte-americano.

O ataque a Nova Iorque, em 2001, mudou-o por dentro. “Alguma coisa atingiu um nervo e mudou a forma como ele se sentia e como pensava nas coisas“, disse o amigo Kevin Yu. “Ele sentia que podia estar a fazer muito mais.”

No comunicado que tornou público depois do ataque, o Departamento de Estado norte-americano limitou-se a fazer uma referência à morte de um cidadão do país. No Facebook, um dos irmãos, Jonathan, deixou-lhe uma mensagem de homenagem.

Não há palavras para descrever como a nossa família se está a sentir, mas posso dizer… Jason Spindler, és e serás sempre um filho, um irmão e um tio incrível.

A família de Jason vai viajar até ao Quénia para recolher o corpo. Para segunda-feira está marcada uma cerimónia de homenagem.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: prainho@observador.pt
Terrorismo

O melro de Rushdie /premium

Luis Teixeira

Foi há 30 anos e Khomeini tinha uma razão mesquinha para lançar a fatwa que condenava Rushdie à morte: precisava de congregar à sua volta as multidões desiludidas com o fiasco da guerra com o Iraque.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)