Benfica

Bruno Lage crê num Benfica ainda “mais forte” em novo jogo com o Vitória

Bruno Lage está convicto de que o Benfica poderá estar mais forte no novo jogo com o Vitória, tendo aproveitado para treinar sem criar desgaste, em fase de transição de modelos táticos.

Bruno Lage, o treinador do Benfica

OCTÁVIO PASSOS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O treinador Bruno Lage disse esta quinta-feira que o Benfica vai estar “mais forte” em novo jogo com o Vitória de Guimarães, na 18.ª jornada da I Liga de futebol, graças à solidez ganha nos últimos três jogos.

Vitorioso nos três desafios já cumpridos pela primeira equipa das águias — Rio Ave (4-2), Santa Clara (2-0) e Vitória, para a Taça de Portugal, na terça-feira (1-0) –, o sucessor de Rui Vitória disse que o plantel aproveitou o breve intervalo antes do jogo de sexta-feira para “treinar o máximo possível sem criar desgaste”, numa fase em que vive a transição de modelos táticos: 4x3x3 para 4x4x2.

“Estou convicto de que amanhã [sexta-feira] poderemos estar mais fortes, porque tivemos mais três dias para continuar a evoluir e vimos de uma sequência de três jogos em que sinto que estamos mais sólidos, quer no processo defensivo, quer no processo ofensivo”, afirmou, na conferência de antevisão ao jogo marcado para as 21h15, realizada numa unidade hoteleira, em Guimarães.

Ao invés de regressar a Lisboa após o duelo da Taça de Portugal, a turma da Luz preparou o primeiro jogo da segunda volta no Minho, com incidência nas sessões de vídeo para avaliar aquilo que se deve “continuar a fazer” e analisar “o comportamento do adversário”, realçou o treinador.

Questionado sobre o impacto da ausência do central Rúben Dias na sua equipa — viu o quinto amarelo nos Açores — e dos regressos dos médios André André e Tozé, no Vitória, Bruno Lage defendeu que o jogo vai pender para a equipa “mais competente”, com melhor “jogo coletivo”, apesar de ter admitido que as “individualidades podem fazer a diferença”.

As águias terminaram a primeira volta no segundo lugar, com 38 pontos, a cinco do líder FC Porto, mas Bruno Lage mostrou-se pouco preocupado com o facto de nenhuma equipa até hoje, com exceção dos azuis e brancos, em 2011/12, alguma vez ter conseguido anular essa distância, na segunda volta. “Estou aqui há duas semanas e estou focado na tarefa, no treino e no jogo. Não fazemos distinção entre competições e encaramos todos os jogos com a mesma exigência”, sublinhou.

O técnico afirmou ainda que a disputa de vários jogos seguidos, com dois, três ou quatro dias de intervalo, faz mossa no rendimento dos jogadores e conduz ao desgaste dos plantéis. “Em janeiro e em fevereiro, há uma sobrecarga de jogos, que pode colocar os jogadores em risco de lesão e ditar menos possibilidades de treinar e de evoluir. Se pretendemos que o jogo seja cada vez melhor, é preciso haver espaço para se recuperar, treinar e voltar a competir”, observou.

O Benfica, segundo classificado da I Liga, com 38 pontos, defronta o Vitória de Guimarães, quinto, com 28, às 21h15 de sexta-feira, no Estádio D. Afonso Henriques, em Guimarães.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Venezuela

Um objeto imóvel encontra uma força imparável

António Pinto de Mesquita

Num dos restaurantes mais trendy de Madrid ouve-se o ranger de um Ferrari que para à porta. Dele sai um rapaz novo, vestido com a última moda. Pergunta-se quem é. “É filho de um general venezuelano”.

Enfermeiros

Elogio da Enfermagem

Luís Coelho
323

Muitos pensam que um enfermeiro não passa de um "pseudo-médico" frustrado. Tomara que as "frustrações" fossem assim, deste modo de dar o corpo ao manifesto para que o corpo do "outro" possa prevalecer

Poupança

O capital liberta

André Abrantes Amaral

É do ataque constante ao capital que advêm as empresas descapitalizadas, as famílias endividadas e um Estado sujeito a três resgates internacionais.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)