Cientistas voltam a sugerir que os anéis de Saturno não se formaram ao mesmo tempo que o planeta e são mais jovens, partindo de novas medições do campo gravitacional do planeta, revela um estudo publicado esta quinta-feira.

As novas medições do campo gravitacional de Saturno foram obtidas com base nas observações da sonda Cassini durante as órbitas finais pelo planeta, em 2017, e permitiram aos investigadores determinar a massa e a idade dos seus anéis, refere um comunicado da American Association for the Advancement of Science, associação que edita a revista científica Science, onde os resultados do trabalho são publicados.

Segundo os autores do estudo, Saturno formou-se há 4,5 mil milhões de anos, enquanto os seus anéis têm entre 10 e 100 milhões de anos. Os dados não esclarecem, porém, como os anéis se formaram tão ‘recentemente’.

Há um mês, um outro estudo, divulgado pela agência espacial norte-americana NASA, estimou, com base em dados da mesma sonda, que os anéis de Saturno podem desaparecer no prazo de 100 milhões de anos. De acordo com o estudo, a gravidade de Saturno está a empurrar os anéis — constituídos essencialmente por gelo — para a camada superior da atmosfera do planeta. A investigação apoiava o cenário de que os anéis não teriam mais do que 100 milhões de anos.