PSD

Conselho Nacional deixa a bancada do PSD a funcionar a meio gás

Quando a norte se preparava a batalha que vai decidir o futuro do PSD, a sul, havia uma sessão plenária na AR. Os deputados laranja tiveram de escolher a sua luta.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

A campainha do Parlamento tocou às 15h00 em ponto. No hemiciclo, os deputados foram entrando aos poucos, mas cedo se percebeu que na bancada do PSD o desfalque ia ser considerável. A hora marcada para o início do Conselho Nacional do partido que vai votar a moção de confiança à direção de Rui Rio – 17h00 – obrigou os deputados a escolher. Ou bem que iam ao Porto para marcar presença na reunião desta quinta-feira ou bem que ficavam na capital para assistir ao plenário. Alguns, poderão ainda ter optado por uma opção híbrida: participar na fase inicial do debate parlamentar e chegar atrasados ao encontro do maior órgão entre congressos.

Feitas as contas, a bancada do grupo parlamentar do PSD nunca chegou a estar completa. Longe disso. Nunca estiveram, ao mesmo tempo, mais de 43 deputados sociais-democratas na sala. Um número que é, sensivelmente, a metade dos assentos que o partido detém no Parlamento: 89 deputados. A luta a norte causou mossa a sul e já deu os primeiros sinais de rutura, que podem vir a alastrar-se ao longo da tarde e da noite desta quinta-feira.

Quando Jorge Lacão deu início aos trabalhos parlamentares desta quinta-feira estavam presentes cerca de 30 deputados sociais-democratas. A maioria associados ao rioísmo. Desde logo, a direção do grupo parlamentar, encabeçada por Fernando Negrão, que esteve em peso desde o primeiro minuto, ocupando todos os lugares da primeira fila do PSD. Na segunda fila tão pouco havia um lugar vago. Entre as caras que iam compondo uma mancha considerável nas primeiras filas e tentavam disfarçar as cadeiras vazias, António Leitão Amaro, António Topa ou Ricardo Baptista Leite.

As figuras associadas ao passismo ou os deputados críticos de Rui Rio que estiveram presentes na sessão plenária sentaram-se nas últimas filas, como Paula Teixeira da Cruz, José Pedro Aguiar-Branco ou Luís Marques Guedes. Também aqui, a distância entre duas fações internas foi difícil de disfarçar.

Nas restantes bancadas, também se registaram várias ausências, em particular na bancada do PS, que também contou durante grande parte da sessão com apenas meia bancada. O CDS, por exemplo, contava apenas com quatro deputados –  Isabel Galriça Neto, Pedro Mota Soares, Nuno Magalhães e Vânia Dias da Silva – no arranque dos trabalhos. Um número que aumentou de forma substancial: às 16h00 a bancada centrista apresentava-se praticamente completa.

O presidente da mesa do Conselho Nacional do PSD, Paulo Mota Pinto, já tinha anunciado esta semana que os parlamentares que quisessem estar presentes esta tarde no Porto Palácio Hotel tinham a possibilidade de justificar a sua falta ao plenário desta tarde. Uma opção que não agradou, sobretudo, aos críticos de Rui Rio, que rapidamente começaram a exigir a alteração da hora de início da reunião para não terem de faltar ao debate. Algo que foi sendo sempre recusado e associado a um ataque aos críticos do líder.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jmozos@observador.pt
Saúde

ADSE ou Ai do Zé?

Fernando Leal da Costa

Sejamos claros. O fim da ADSE, um dos seguros mais importantes na saúde dos Portugueses, determinará um acelerar vertiginoso do colapso assistencial do SNS, com tempos de espera infindáveis.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)