Rádio Observador

Donald Trump

“Estamos a ser esmagados”. Os desabafos de Donald Trump após 27 dias de “shutdown”

133

O presidente norte-americano não desiste da construção de um muro na fronteira entre os EUA e o México. Nos bastidores, revela o lado mais impaciente. É o 27.º dia de paralisação parcial do Governo.

O "shutdown" parcial do Governo dura há 27 dias

AFP/Getty Images

Há 27 dias que o governo norte-americano iniciou uma paralisação parcial, o mais longo período em que um executivo dos Estados Unidos esteve impedido de fazer uso dos recursos que tem à sua disposição. Donald Trump diz não ceder enquanto não vir a construção de um muro na fronteira entre os EUA e o seu vizinho do sul, o México, avançar. No entanto, os bastidores das negociações têm mostrado uma história diferente e um lado mais frustrado e impaciente do presidente norte-americano.

De acordo com o New York Times, Trump estará incomodado com a mais recente cobertura jornalística feita ao “shutdown”bem como com a resistência dos democratas em aceitar a construção do muro. “Estamos a ser esmagados!”, terá dito ao chefe do gabinete, de acordo com uma fonte próxima dos dois. E, de seguida, vem a questão que tem perguntado várias vezes: “Porque é que não conseguimos um acordo?”

As mais recentes sondagens, explica o jornal, indicam que os norte-americanos culpam o presidente pelo shutdown do Governo e os seus conselheiros têm vindo a avisá-lo sobre os efeitos negativos que a medida está a ter na economia do país, tendo em conta que cerca de 800 mil funcionários federais estão sem licença ou a trabalhar sem remuneração, afetando também a segurança dos aeroportos e provocando o fecho de agências federais.

Donald Trump quer que os democratas voltem à mesa de negociações sobre o muro na fronteira, mas parece não ter uma tarefa fácil pela frente. “Está a tornar-se cada vez mais óbvio que os ‘Democratas Radicais’ são um partido de fronteiras abertas e crime. Eles não querem ter nada a ver com a grande crise humanitária na nossa fronteira do Sul”, escreveu numa publicação no Twitter.

Muitas vezes, acrescenta o NY Times, Trump terá apontado o dedo aos seus conselheiros por não conseguirem a negociação que pretende. “A Casa Branca e os seus aliados têm um sentido de clareza e de realização, e para lá chegar é preciso ter uma estratégia muito mais ampla desde o início”, explicou Kevin Madden, um comentador republicano. O presidente norte-americano, diz o Business Insider, também não terá gostado que os seus funcionários não o tenham defendido no Congresso para financiar o muro que, mais tarde, foi rejeitado.

Donald Trump, recorde-se, chegou a abandonar na semana passada uma reunião com os líderes do Congresso para a negociação parcial do Governo. Segundo o líder democrata no Senado, Chuck Schumer, o presidente norte-americano perguntou a Nancy Pelosi, presidente daquele órgão, se concordava em financiar o muro na fronteira com o México. Quando esta respondeu “não”, o Presidente levantou-se e disse: “Então não temos mais nada para discutir”.

Sem acordo entre democratas e republicanos para fechar o orçamento desses departamentos, onde se incluem questões relacionadas com a segurança nacional, o presidente norte-americano ameaçou manter a paralisação durante “meses ou anos”, se a sua proposta de construção do muro na fronteira com o México, com dinheiro dos contribuintes, não avançar.

(Artigo atualizado às 9h23)

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
António Costa

O favor que Costa fez à direita /premium

Sebastião Bugalho

Nestes quatro anos, Costa normalizou tudo aquilo que a direita se esforçou por conquistar, o que levanta uma questão simples: o que poderá dizer o PS contra um futuro governo do centro-direita?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)