Rádio Observador

Museus

Museu Arpad Szenes-Vieira da Silva mostra cerca de 100 obras de Manuel Casimiro

As obras estarão no museu até dia 17 de março, em Lisboa. O artista explora várias linguagens artísticas, como a escultura, pintura, desenho, instalação e filme.

Museu Arpad Szenes - Vieira da Silva, Lisboa

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A exposição “Da História das Imagens” apresenta, a partir de esta quinta-feira, cerca de 100 obras em torno da imagem fotográfica, do artista portuense Manuel Casimiro, no Museu Arpad Szenes – Vieira da Silva, em Lisboa.

O artista, que expõe pela primeira vez neste museu, exibirá, até 17 de março, esta faceta da sua obra, que tem explorado várias expressões e meios, como a escultura, pintura, desenho, instalação e filme.

Em “Da História das Imagens” estarão patentes algumas das suas mais importantes séries fotográficas, realizadas entre 1972 e 1988, constituindo um corpo de trabalho que contribui para a compreensão deste período relativamente à utilização do meio fotográfico pelos artistas.

Destacam-se as séries “A Cidade” (1972); “Projeto Praia da Luz” (1974); “Projeto com Frutos e Legumes” (1976); “Projeto para o Porto de Nice” (1976); “AutoRetratos” (realizados desde 1977, nomeadamente a série “Moi, je n’existe pas”); “Le Cauchemar”, de 1980, e “Vénus e o Amor”, de 1988.

Serão ainda apresentadas várias fotografias e postais com reproduções de obras de referência da cultura portuguesa, “umas e outras intervencionadas com ovóides, presenças pictóricas, mas também linguísticas, que marcam o processo de apropriação e transformação característico do trabalho de Manuel Casimiro”, segundo um texto sobre a exposição.

No Museu Arpad Szenes – Vieira da Silva irá figurar também uma obra de grandes dimensões com a imagem do “Quilleboeuf à l’embouchure de la Seine”, do pintor William Turner, que faz parte da coleção de Serralves.

Algumas destas obras “constituem um momento singular no percurso de Manuel Casimiro e evidenciam questões fundamentais como a serialidade, a relação com o cinematográfico, a inscrição do reprodutivo e a estética de apropriação”, acrescenta o texto.

Durante a exposição, irá estrear-se o filme “Manuel Casimiro: Pintar a Ideia”, dedicado à sua vida e obra, com realização de Isabel Lopes Gomes, que assina também a curadoria da mostra.

Este documentário dá a conhecer grande parte do trabalho de Manuel Casimiro, concebido ao longo de meio século, num percurso iniciado em finais da década de 1960, através da pintura, fotografia, instalação e escultura.

A obra conta com depoimentos do próprio Manuel Casimiro e de colegas de ofício, nomeadamente escritores, filósofos, historiadores e críticos de arte, entre eles Michel Butor, Jean-François Lyotard, Christine Buci-Glucksmann, Vincent Descombes, Jonathan Dronsfield, Pierre Restany, Raphael Monticelli, António Cerveira Pinto e Bernardo Pinto de Almeida.

Será ainda apresentado um livro dedicado ao suporte fotográfico utilizado por este artista, com uma entrevista ao próprio e textos de Isabel Lopes Gomes e de António Cerveira Pinto.

Nascido no Porto, em 1941, Manuel Casimiro conta com dezenas de exposições individuais e coletivas em diversos países europeus, nos Estados Unidos, Brasil, Japão e China.

Em Portugal, a sua obra está presente no Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian, no Museu Coleção Berardo, e na Fundação de Serralves, entre outros.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
História

O azar do museu Salazar /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
270

A ignorância e o fanatismo, que estão na origem dos totalitarismos, combatem-se com a verdade e o conhecimento. A ditadura não se vence com a ignorância, mas com a ciência.

Crónica

Museológica da batata /premium

Tiago Dores

Somos um povo com inclinação para a filosofia, com dotes de abstracção tão bons, tão bons, que acabamos por ser mais fortes a discorrer sobre museus imaginários do que a visitar museus reais.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)