Saúde

Costa defende cuidados continuados e serviços de saúde primários no interior

1.575

António Costa dá prioridade no SNS ao investimento nos cuidados continuados integrados e nos cuidados de saúde primários e quer levar os cuidados de saúde mais próximo das populações do interior.

António Costa falava esta sexta-feira durante a inauguração do Centro de Saúde e do Serviço de Urgência Básica de Vila Nova de Foz Côa, Guarda

MIGUEL PEREIRA DA SILVA/LUSA

O primeiro-ministro, António Costa, defendeu esta sexta-feira a aposta na rede de cuidados continuados e nos cuidados de saúde primários por considerar que são importantes serviços públicos de proximidade nos territórios do interior.

“Um dos grandes ganhos que o 25 de Abril nos deu foi o Serviço Nacional de Saúde [SNS]. Contudo, o SNS já não pode ser só o grande hospital, mas sim uma porta de proximidade que leva os cuidados de saúde cada vez mais diversificados a cada uma das pessoas”, afirmou o António Costa.

O chefe do executivo avançou que são uma prioridade no SNS estes dois tipos de investimento: os cuidados continuados integrados e cuidados de saúde primários.

“Porque hoje o SNS contribuiu para alargarmos a nossa esperança de vida e ao vivermos mais anos, precisamos de melhores cuidados de saúde, e hoje, uma população mais envelhecida precisa de mais cuidados continuados, sendo esta uma linha de investimento muito importante, onde o Governo trabalha em parceria com as Misericórdia, com Instituições Particulares de Solidariedades Social [IPSS] ou a mutualidades”, indicou o primeiro-ministro.

Na linha dos cuidados de saúde primários, o chefe do Governo enfatizou que estes são a primeira resposta, desde a mais tenra infância até à idade adulta. “E estes cuidados de proximidade é que fazem a diferença e é por isso que ao longo dos últimos anos temos investido na melhoria das unidades de cuidados de saúde primários”, disse.

António Costa falava esta sexta-feira durante a inauguração do Centro de Saúde e do Serviço de Urgência Básica de Vila Nova de Foz Côa, no distrito da Guarda, representando um investimento de cerca de 1,5 milhões de euros. Segundo dados avançados pelo primeiro-ministro, em todo o país estão em construção 43 novos centros de saúde, outros em requalificação, o que perfaz 112 unidades do género.

“Temos estado a alargar a Unidades de Saúde Familiares, para chegarmos à centena, como nos propusemos fazer nestes quatros anos de governo. E este ano vamos conseguir cumprir este objetivo”, acrescentou António Costa, que se fazia acompanhar da ministra da Saúde, Marta Temido. Outra das apostas é criar novas valências nos centros de saúde e aumentar o número de médicos de família.

Por seu lado, o presidente da câmara de Vila Nova de Foz Côa, Gustavo Duarte, destacou que este novo serviço de saúde se torna mais importante, tanto mais que o concelho tem dois Patrimónios Mundiais da Humanidade, sendo um território que tem de oferecer cuidados de saúde de proximidade aos milhares de pessoas que o visitam anualmente e para quem ali vive.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Saúde

ADSE ou Ai do Zé?

Fernando Leal da Costa

Sejamos claros. O fim da ADSE, um dos seguros mais importantes na saúde dos Portugueses, determinará um acelerar vertiginoso do colapso assistencial do SNS, com tempos de espera infindáveis.

Médicos

Senhor Dr., quanto tempo temos de consulta?

Pedro Afonso
590

Um dos aspetos essenciais na relação médico-doente é a empatia. Para se ser empático é preciso saber escutar. Ora este é um hábito que se tem vindo a perder na nossa sociedade, e nas consultas médicas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)