Rádio Observador

Cimeiras

Grupo 5+5 comprometeu-se a reforçar cooperação no Mediterrâneo

A questão das migrações, as alterações climáticas e os problemas dos jovens no Mediterrâneo foram temas centrais em reunião de responsáveis de negócios estrangeiros do Grupo 5+5, em Malta.

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, representou Portugal na reunião de responsáveis de negócios estrangeiros do Grupo 5+5

MÁRIO CRUZ/LUSA

Os responsáveis de política externa do Grupo 5+5 comprometeram-se esta sexta-feira a aumentar a cooperação e segurança no Mediterrâneo, numa reunião em Malta, afirmou o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva.

A questão das migrações, as alterações climáticas e os problemas dos jovens no Mediterrâneo foram temas centrais da reunião de responsáveis de negócios estrangeiros do Grupo 5+5 (uma organização de cooperação do Mediterrâneo ocidental, lançado pela França em 1983, incluindo cinco países do sul da Europa: Espanha, França, Itália, Malta e Portugal; e cinco países do norte de África: Argélia, Líbia, Mauritânia, Marrocos, Tunísia), que ao fim de dois dias, terminou esta sexta-feira em La Valleta, Malta.

“Uma das principais conclusões foi o acordo entre nós de colocarmos em prática o Pacto das Migrações, na sua componente mediterrânica, comprometendo-nos a efetivar os seus mecanismos de cooperação”, afirmou, em declarações à Lusa, Augusto Santos Silva, que representou Portugal neste encontro.

Do grupo dos dez países, apenas a Itália não subscreveu ainda o Pacto das Migrações, mas a vice-ministra dos Negócios estrangeiros italiana, Emanuela Del Re, partilhou das preocupações dos seus homólogos e todos se comprometeram em manter esforços de colaboração e de informação sobre matérias relacionados com os fluxos migratórios no Mediterrâneo.

O chefe da diplomacia de Malta, Carmelo Abela, afirmou mesmo que o problema da migração a partir de África deve ser encarado com delicadeza, devendo evitar-se “o discurso contra os imigrantes, como sendo uma ameaça ou uma fonte de medo”.

Com o estatuto de observadora, participou no encontro do Grupo 5+5 a representante da União Europeia (UE) para a Política Externa, Federica Mogherini, o que, para Augusto Santos Silva, é um sinal da relevância que a UE está a dar ao problema das migrações.

Mogherini afirmou que “o que acontece no Mediterrâneo afeta todo os países membros da UE”, tendo por isso pedido aos países do grupo maior cooperação para enfrentar os desafios e as ameaças que diariamente se colocam à região.

Além da questão das alterações climáticas, que também esteve na agenda, o tema da juventude dominou o encontro em La Valleta, a que se juntaram dez ativistas jovens de cada um dos países integrantes do grupo. “Este é um tema fundamental para este grupo, até pelas desigualdades demográficas, com os países do sul da Europa a debaterem-se com o envelhecimento da população e os países do norte de África com 2/3 de jovens na sua população”, referiu Augusto Santos Silva, para justificar o interesse que o tema suscitou no encontro de Malta.

Durante um almoço de trabalho, os responsáveis de assuntos exteriores do grupo debateram ainda a questão do terrorismo e do radicalismo, com o ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal a recordar os seus homólogos da existência do Centro Norte/Sul do Conselho da Europa, com sede em Lisboa, que pode ser ativado para melhor entender e combater estas ameaças.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)