Espanha

Málaga. Autoridades devem chegar até Julen dentro de 15 horas

240

Resgatadores dizem que podem chegar até Julen Jimenez às 10h de sábado. A atrasar as perfurações estão os blocos de pedra dura que as máquinas não conseguem partir.

AFP/Getty Images

As autoridades responsáveis pelas escavações para resgatar Julen Jimenez, o bebé de dois anos preso num túnel profundo e estreito em Málaga, dizem que devem chegar até à criança dentro de 15 horas, quando forem 10h em Portugal Continental. “Em condições normais de perfuração, podemos chegar a Julen em 15 horas, a menos que encontremos este material extremamente duro novamente”, afirmou Ángel García Vidal, coordenador das operações de busca e resgate.

Até agora, as tarefas de perfuração para criar os dois túneis paralelos àquele onde Julen Jimenez está têm sido atrasadas por causa das rochas que compõem o solo. Segundo Ángel García Vidal, “o material que se tem encontrado é extremamente duro e, portanto, outros métodos seguros estão a ser usados ​​para extraí-lo”. “Não sabemos de momento quão espesso é e esperamos que, quando superado, tenhamos mais facilidade”, explicou o coordenador.

Se encontrarem mais blocos de pedra pelo caminho, esse pode ser um problema que atrasará ainda mais as operações de busca — que duram desde as 14h de domingo. Quanto mais dura for a pedra, mais potentes devem ser as máquinas usadas para a perfurar. E mais vibrações isso vai causar aos terrenos, motivando deslizamentos de terra que podem prejudicar ainda mais o resgate.

Por outro lado, a firmeza do solo tem sido apontada como uma vantagem para a sobrevivência de Julen: é possível que esteja debaixo de uma pedra que, se tiver buracos, permita a passagem de ar. No entanto, Julen Jimenez continuaria sempre em dificuldades caso não tenha acesso a comida, a água, a ar potável e a espaços abertos que o permitissem movimentar-se, como explicaram três espeleólogos e um médico do INEM ao Observador no artigo cá em baixo.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt
CDS-PP

O governo merece uma censura /premium

João Marques de Almeida
221

Se o Presidente, o PM e os partidos parlamentares fossem responsáveis e se preocupassem com o estado do país, as eleições legislativas seriam no mesmo dia das eleições europeias, no fim de Maio. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)