Bielorrússia

Modelo bielorrussa que diz ter provas da influência russa nas eleições dos EUA foi presa em Moscovo

A modelo e acompanhante de luxo Anastasia Vashukévich foi detida esta quinta-feira pelas autoridades russas por indução à prostituição. Anastasia tinha ordem de deportação para a Bielorrússia.

A modelo, que estava presa desde fevereiro do ano passado na Tailândia, foi libertada com pena suspensa e na condição de que seria deportada para o país de origem, a Bielorrússia

Via Facebook de Anastasia Vashukevich

A modelo e acompanhante de luxo Anastasia Vashukévich, que diz ter provas da influência russa nas eleições presidenciais dos Estados Unidos da América em 2016, foi detida esta quinta-feira por “indução à prostituição” em Moscovo, na Rússia, avança o jornal britânico The Guardian. A modelo já tinha estado presa durante cerca de um ano na Tailândia por ter prestado e organizado “serviços sexuais“ e tinha ordem de deportação para a Bielorrússia.

Em comunicado, a polícia de Moscovo informou que Anastasia Vashukévich foi detida esta quinta-feira no aeroporto Sheremetyevo, na capital russa. Juntamente com a modelo estavam três pessoas que foram também deportadas.

A modelo, que estava presa desde fevereiro do ano passado na Tailândia, foi esta terça-feira libertada com pena suspensa e com a condição de que seria deportada para o país de origem, a Bielorrússia. Mas isso não aconteceu e acabou por ser intercetada na Rússia. Esta sentença foi decretada após Anastasia Vashukévich ter finalmente confessado o crime.

As agências russas avançam que quatro das sete pessoas que foram deportadas da Tailândia esta quinta-feira e que chegaram a Moscovo foram detidas – cinco Russos e dois bielorrussos, segundo o New York Times -, incluindo Anastasia e o colega de trabalho Alexander Kirillov, conhecido como “gurú do sexo”. Agora, podem enfrentar até seis anos de prisão cada um, caso sejam condenados pelo crime de que estão acusados.

A acompanhante diz ter em seu poder cerca de 18 horas de gravações áudio e vídeo com conversações comprometedoras entre o magnata Oleg Deripaska e outras personalidades influentes. Anastasia Vashukévich tinha ligações fortes à elite russa e terá sido nos vários encontros que teve com o magnata que terá recolhido a informação.

Aquando da detenção na Tailândia, os dois detidos – Anastasia Vashukévich e Oleg Deripaska –  enviaram uma nota à embaixada dos Estados Unidos a pedirem ajuda e asilo político, oferecendo em troca as informações confidenciais que diz ter sobre as eleições presidenciais dos EUA. No entanto, acabou por retirar a oferta, na medida em que considerou que chegaria a acordo com Oleg Deripaska.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)