INTERPOL

Mulher do ex-presidente da Interpol diz-se ameaçada e pede asilo a França

A esposa do Meng formaliza o pedido de asilo junto do escritório francês para a proteção de refugiados, diz que recebeu "telefonemas estranhos" e está "com medo de ser sequestrada".

Meng Hongwei, ex-presidente da Interpol

INTERPOL / HANDOUT/EPA

A mulher do ex-presidente da Interpol o chinês Meng Hongwei, detido na China por corrupção depois de desaparecer de forma misteriosa quando viajava para Pequim em setembro, vai pedir asilo a França porque se sente ameaçada.

“Preciso que o Governo francês me proteja, me ajude, a mim e aos meus filhos”, disse esta sexta-feira a esposa de Meng, em declarações à France Info.

Explicou que está “com medo de ser sequestrada”, que recebeu “telefonemas estranhos” e que foi seguida por um casal de chineses até ao hotel onde está hospedada.

Nas imagens de videovigilância do hotel, vê-se um homem e uma mulher a entrar e a pedirem o número do quarto da esposa de Meng Hongwei com a desculpa – falsa — de que tinham um compromisso. Pouco depois, o mesmo homem é visto a correr atrás do carro da mulher de Meng para fotografar a matrícula.

Por isso, a mulher do antigo presidente da Interpol diz que vai formalizar esta sexta-feira o pedido de asilo junto do escritório francês para a proteção de refugiados apátridas.

Meng era vice-ministro de Segurança Pública da China quando foi eleito presidente da Interpol, em 2016, perdeu o contacto com a família depois de embarcar num avião para a China no passado dia 25 de setembro.

Depois de vários dias de silêncio sem que a família recebesse notícias de Meng e face à pressão internacional, a Comissão Nacional de Supervisão da China confirmou a detenção.

De acordo com o Ministério de Segurança Pública da China, a investigação a Meng foi aberta depois de as autoridades chinesas terem dito que detetaram que ele aceitou um suborno e violou a lei estadual com um comportamento que causou “sérios danos” ao partido e à segurança nacional.

Em 21 de novembro, a Assembleia Geral da Interpol decidiu substituir Meng pelo sul-coreano Kim Jong Yang.

A organização policial internacional tinha recebido no dia 7 de outubro uma carta de renúncia e uma comunicação de Pequim informando que Meng não seria o delegado da China naquele organismo.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Taiwan

Em apoio a Taiwan como país observador na INTERPOL

Tai Tsan-Po

Manter a segurança global e a justiça social deve estar acima de barreiras como território, raça ou política. Por isso solicitamos que Taiwan possa participar como Membro Observador na AG da INTERPOL.

Mar

Bruno Bobone: «do medo ao sucesso»

Gonçalo Magalhães Collaço

Não, Portugal não é uma «nação viciada no medo» - mas devia realmente ter «medo», muito «medo», do terrível condicionamento mental a que se encontra sujeito e que tudo vai devastadoramente degradando.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)