Protestos

Pelo menos 12 mortos na repressão dos protestos no Zimbabué

Pelo menos 12 pessoas foram mortas e 78 baleadas no Zimbabué, na sequência da repressão dos protestos contra o aumento do preço dos combustíveis, que começaram na segunda-feira.

Mais de 240 pessoas foram agredidas e torturadas e 466 foram detidas arbitrariamente na repressão dos protestos no Zimbabué

AARON UFUMELI/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Pelo menos 12 pessoas foram mortas e 78 baleadas no Zimbabué na repressão dos protestos iniciados na segunda-feira contra o aumento do preço dos combustíveis, revelou uma coligação de organizações de direitos humanos esta sexta-feira.

Num comunicado citado pela agência noticiosa norte-americana Associated Press, o Foro de ONG de Direitos Humanos do Zimbabué indica igualmente que no mesmo contexto mais de 240 pessoas foram alvo de “agressão, tortura, tratamento desumano e degradante” e 466 foram detidas arbitrariamente ou de um modo que a coligação designa de “transgressões em massa”.

Segundo o Foro, até crianças de nove anos terão sido torturadas quando as forças de segurança entraram em habitações. A coligação considera ainda “lamentável” que o Governo do Zimbabué esteja a responsabilizar os líderes da sociedade civil por alguns dos piores distúrbios do país em vários anos. A diretora executiva do Foro, Blessing Gorejana, disse à agência noticiosa espanhola EFE que a maioria dos mortos foi atingida a tiro e o seu número pode aumentar.

De acordo com a ONG Médicos do Zimbabué pelos Direitos Humanos, pelo menos 172 pessoas foram tratadas em instalações médicas esta semana, 68 das quais com ferimentos de balas.

No passado sábado, o Presidente, Emmerson Mnangagwa, anunciou um aumento do preço do litro da gasolina de 1,38 para 3,31 dólares, mais do que duplicando o seu custo. A Confederação Sindical do Zimbabué convocou uma greve de três dias, que começou na segunda-feira seguinte, e os zimbabueanos vieram para as ruas manifestar-se contra a decisão e a crise económica que afeta o país.

Entre os detidos está um padre e proeminente ativista e crítico zimbabueano, Evan Mawarire, preso na quarta-feira na sua casa, na capital, Harare, por “incitação à violência” através das redes sociais e por “subversão”. A justiça decidiu esta sexta-feira que continuará detido até 31 de janeiro.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)