Tesla

Tesla despede 3.000 funcionários

A pressão para alcançar o lucro e a necessidade de colocar o Modelo 3 "low-cost" em vários mercados foram alguns dos motivos que justificam a decisão de despedir 7% dos funcionários.

O CEO Elon Musk diz que os produtos Tesla "continuam a ser demasiado caros para a maioria das pessoas"

AFP/Getty Images

A Tesla vai despedir 7% dos seus empregados, afirmou  o CEO da empresa, Elon Musk, num e-mail enviado aos seus colaboradores na passada sexta-feira. A Business Insider é quem dá a notícia, citando a própria mensagem eletrónica que entretanto foi publicada no site da empresa.

Estima-se que o despedimento (o segundo do género, em Junho de 2017 houve outro) irá afetar mais de 3 mil funcionários da marca de carros elétricos, cálculo efetuado a partir dos dados divulgados pelo próprio Musk, em 2017, que atiravam o número total de funcionários Tesla para os 45 mil. O e-mail explica as razões:

A necessidade de tornar os Tesla Modelo 3 “mais em conta” e a “queda da taxa de crédito” norte-americana são algumas da razões alegadas por Musk para justificar a medida drástica. “Existem muitas empresas que conseguem oferecer um melhor equilíbrio vida/trabalho porque são maiores, mais maduras ou porque estão inseridas em áreas não tão vorazes e competitivas como a nossa. Tentar criar produtos de energia limpa e acessível em larga escala obriga a um esforço extremo e a uma criatividade impiedosa mas alcançar o sucesso na nossa missão é essencial para garantir um futuro melhor — é por causa disto que temos de fazer tudo e mais alguma coisa para a causa andar para a frente.”

Assim que esta decisão foi tornada pública, as ações da Tesla caíram 8%, de acordo com os preços do pré-mercado (antes da abertura formal da bolsa).

Musk afirmou ainda que a pressão para alcançar o lucro e a ambição de levar o Modelo 3 low-cost “a todos os mercados” prova que “a estrada que se estende à frente” é tudo menos fácil. Os produtos Tesla “continuam a ser demasiado caros para a maioria das pessoas”, acrescentou o empresário. “Infelizmente não nos resta outra hipótese sem ser a redução do número de trabalhadores a tempo inteiro em 7% (crescemos 30% no último ano, o que é mais do que conseguimos suportar).”

Elon Musk não especificou que trabalhadores estavam mais em risco de serem despedidos, sugerindo que a medida afetará os empregados de vários patamares da estrutura da empresa.

Participe nos Prémios Auto Observador e habilite-se a ganhar um carro

Vote na segunda edição do concurso dedicado ao automóvel cuja votação é exclusivamente online. Aqui quem decide são os leitores e não um júri de “especialistas” e convidados.

Participe nos Prémios Auto ObservadorVote agora

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: dlopes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)