Crime

Alfie morreu esmagado no banco traseiro do carro porque estava a fazer “demasiado barulho”

3.513

Criança de três anos ia a fazer barulho no carro. O namorado da mãe ficou "nervoso" e quis dar-lhe "uma lição", puxando atrás o seu banco. Matou-o por esmagamento.

Kenny10/Getty Images/iStockphoto

Alfie, um menino britânico de apenas três anos morreu esmagado no banco traseiro do carro em que seguia, porque ia a mexer-se e aos gritos pelo caminho e o namorado da mãe quis dar-lhe “uma lição”. Para o calar — porque o barulho da criança o estava a deixar “nervoso” — Stephen Waterson puxou atrás o seu banco. Mas fê-lo com tanta força que a criança, que estava no espaço onde habitualmente colocamos os pés, morreu por esmagamento.

O caso remonta a fevereiro de 2018, mas só agora se soube porque os pais foram a tribunal. Tanto a mãe, Adrian Hoare, de 23 anos, como Stephen Waterson, de 25, se declararam inocentes do crime de homicídio. O caso tem emocionado a sociedade britânica.

Alfie seguia no carro, um Audi descapotável, juntamente com a mãe, o namorado da mãe, e outros dois adultos e uma criança. De acordo com o The Sun, as crianças tiveram de se sentar no espaço para colocar os pés porque alegadamente Waterson se recusava a permitir cadeiras para crianças. A BBC, que noticiou a evolução do julgamento, deu mais contornos sobre o caso este sábado. Alfie seguia no carro, mexendo-se constantemente e aos gritos. O namorado da mãe, Stephen Waterson, fartou-se da atitude da criança e quis castigá-la. Só que escolheu reclinar o seu assento, acabando por esmagá-lo. Além de Hoare e Waterson,

A criança começou a chorar e a gritar “Mamã!”, segundo ficou a saber-se no decorrer do julgamento. Mas Waterson não parou até que, pouco tempo depois, Alfie ficou em silêncio. Os pais explicaram em tribunal que pensaram que a criança se tinha cansado e que tinha adormecido.

Foi por esse motivo, salientaram, que não se aperceberam do que tinha acontecido até chegarem ao destino. Waterson ligou para o número de emergência e terá dito, enquanto chorava: “O que é que eu fiz?”. Segundo o The Sun, o homem de 25 anos ter-se-á ido embora antes de os paramédicos chegarem. O pequeno morreu no hospital um dia depois. A autópsia mostrou que tinha sofrido lesões várias, causadas por um “aumento de pressão no corpo”. Também tinha hemorragias externas e pequenos hematomas causados pela rotura das veias.

Alfie acabou por morrer devido a uma lesão cerebral isquémica, causada por pela privação de sangue e oxigénio e pela asfixia por esmagamento. O patologista Andreas Marneride testemunhou em tribunal que os ferimentos da criança eram tão graves que parecia que tinha sido vítima de um acidente automóvel, refere o The Sun.

Artigo atualizado às 18h57 com informações recolhidas pelo The Sun

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: nvinha@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)