Benfica

Guimarães foi o Berço para a mensagem de Bruno Lage: “Pode ser o início de uma conquista”

215

Bruno Lage comentou aposta em Gabriel, explicou troca de Castillo por Seferovic, elogiou papel dos avançados no novo sistema e deixou um mote para o resto da época, "treino a treino e jogo a jogo".

Depois da vitória pela margem mínima para a Taça de Portugal, Benfica de Bruno Lage voltou a ganhar por 1-0 em Guimarães na Liga

OCTÁVIO PASSOS/LUSA

Quatro jogos, quatro vitórias seguidas, 340 minutos sem sofrer golos (a contar) e uma equipa em mutação. Ainda como técnico interino, Bruno Lage arriscou na receção ao Rio Ave o esboço daquilo que começaria a trabalhar com mais afinco nas duas semanas que teria pela frente: uma nova forma de jogar, um modelo diferente, um processo que procurava criar outra identidade. Apesar do desgaste físico pelo calendário apertado, que obriga a redobrada gestão física, o método tem resultado.

“Senti a equipa cada vez mais consistente e foi isso que aconteceu. Fomos crescendo ao longo do jogo e na primeira parte, tirando os primeiros dez minutos, fomos a melhor equipa. Na segunda parte foi mais repartido, o V. Guimarães encostou-nos um pouco às cordas mas foi nesse momento surgiu o golo. O resultado é sempre justo para quem ganha e estamos satisfeitos com o trabalho de toda a gente”, começou por referir na zona de entrevista rápidas, antes de anunciar, na conferência de imprensa, a mensagem que passou aos jogadores encarnados antes deste reencontro com os minhotos no Dom Afonso Henriques.

“Sinto o seguinte: estamos numa cidade maravilhosa, num grande clube que é o Vitória, na cidade onde nasceu Portugal. O que disse aos jogadores é que pode ser aqui o início de uma conquista, ganhando aqui podíamos conquistar o público e sabendo que estamos na luta, conquistando o público, tenho dúvidas que não vamos jogar em casa”, explicou. “Penso treino a treino, jogo a jogo. Agora temos uma meia-final que queremos vencer, para estar na final. É continuar a evoluir num sistema novo. Vitória na Taça da Liga? O importante é ganhar ao FC Porto. Temos alguns dias para descansar, vamos a jogo com estas armas”, completou.

Num outro plano, Bruno Lage abordou também algumas opções mais específicas, como a aposta na titularidade de Gabriel ou a troca de avançados esta noite, para explicar de novo a importância do processo coletivo.

“Admito que o sistema pode ter ajudado o Gabriel. Entrou na equipa principalmente pela resposta no treino, que foi uma reposta interessante. Tem-se falado da importância dele, por dar mais músculo ao nosso meio-campo, mas vejo a entrada do Gabriel como uma oportunidade de construir melhor. A partir da entrada dele temos outra oportunidade de sair com segurança, quer a jogar curto, quer a jogar longo”, salientou. “A entrada do Castillo prende-se com duas questões: desgaste do Seferovic e um lado mais estratégico. Sabíamos que o V. Guimarães ia fechar-nos o jogo interior. A partir dos dez, 15 minutos começámos a ter mais espaço, o Castillo começou a empurrar mais a defesa do adversário e começámos a ter maior controlo”, destacou.

“Três jogos em sofrer? A prioridade é fazer evoluir a equipa. Uma das primeiras ideias, querendo jogar em 4x4x2, é saber que temos de estar presentes no movimento defensivo. Tenho de dar uma palavra a todos os jogadores, mas essencialmente aos avançados, que têm de pressionar e depois ainda fazer golos. Têm feito isso”, concluiu o técnico encarnado.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt
Winston Churchill

A arrogância da ignorância /premium

João Carlos Espada

Como devemos interpretar que um dirigente do segundo maior partido britânico venha dizer em público que o líder do mundo livre durante a II Guerra, Winston Churchill, foi um “vilão”?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)