João Sousa

João Sousa admite ter faltado “intensidade e frescura física” para vencer no Open da Austrárlia

O tenista português justifica a derrota frente ao japonês Kei Nishikori com falta de "intensidade e frescura física". João Sousa voltou assim a ser travado na terceira ronda do 'major' dos Antípodas

RITCHIE TONGO/EPA

Autor
  • Agência Lusa

 

O tenista português João Sousa não conseguiu “manter a intensidade e frescura física” e perdeu frente a Kei Nishikori na terceira ronda do Open da Austrália, primeiro ‘Grand slam’ da temporada, que decorre em Melbourne Park.

“Infelizmente não consegui vencer o encontro de hoje. Depois de um primeiro ‘set’ de muito bom nível, não consegui manter a mesma intensidade e frescura física que gostaria, e daí ter perdido o encontro”, justificou o vimaranense, 44.º colocado no ‘ranking’ ATP.

Aquele que foi o terceiro confronto direto entre os dois ficou resolvido em pouco mais de duas horas, pelos parciais de 7-6 (8-6), 6-1 e 6-2, favorável ao japonês e número nove da hierarquia mundial, já depois de Sousa ter pedido assistência em ‘court’, na sequência de algumas queixas físicas na zona da anca esquerda.

“Ele esteve muito bem a todos os níveis, foi melhor do que eu e mereceu a vitória”, reconheceu o minhoto, que, pela terceira vez na carreira, foi travado na terceira ronda do ‘major’ dos Antípodas, depois de 2015 e 2016.

Apesar da derrota, Sousa garantiu o regresso ao top-40 do ‘ranking’ mundial e um prémio na ordem dos 135 mil euros, só na competição de singulares.

O próximo duelo do português é já no domingo, na vertente de pares, na companhia do argentino Leonardo Mayer frente à dupla Maximo Gonzalez/Nicolas Jarry, contra a qual vão discutir a qualificação para os quartos de final.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Sindicatos

Vivam as greves livres

Nuno Cerejeira Namora

Estes movimentos têm de ser encarados como o sintoma de um mal maior: a falência do sindicalismo tradicional e a sua incapacidade de dar resposta às legítimas aspirações dos seus filiados.

Sri Lanka

Ataque terrorista à geografia humana de Portugal

Vitório Rosário Cardoso

É quase indissociável desde o século XVI na Ásia marítima a questão de se ser católico e de se ser Português porque afirmando-se católico no Oriente era o mesmo que dizer ser-se Português. 

Museus

Preservação do Património Cultural

Bernardo Cabral Meneses

As catástrofes ocorridas no Rio de Janeiro e em Paris deverão servir de exemplo para ser reforçada a segurança contra incêndios nos edifícios e em particular nos museus portugueses.

Liberdades

Graus de liberdade /premium

Teresa Espassandim

Ninguém poderá afirmar que é inteiramente livre, que pouco ou nada o condiciona, como se a liberdade significasse tão só e apenas a ausência de submissão e de servidão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)