Rádio Observador

Exposições

MAAT com obra de Carlos Bunga em revista, inéditos de Ana Santos e uma mostra sobre robótica

Museu passa em revista obra do artista Bunga e expõe esculturas de Ana Santos, vencedora do EDP Novos Artistas em 2013. Há ainda a exposição "Hello, Robot".

A exposição The Architecture of Life, sobre Carlos Bunga, ficará no MAAT até 20 de maio

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

Uma exposição que dá um grande panorama da obra de Carlos Bunga, obras inéditas de Ana Santos e uma mostra sobre robótica vão abrir ao público na quarta-feira, no Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia (MAAT), em Lisboa.

A exposição The Architecture of Life. Environments, Paintings and Films, com escultura e pintura de Carlos Bunga, que ficará até 20 de maio no museu, tem curadoria de Iwona Blazwick, apresentando um conjunto de obras que sugerem a arquitetura como corpo e espaço mental, de acordo com o MAAT. “O meu projeto é uma espécie de arquitetura; não é um espaço real, mas uma ideia mental”, descreve um texto do artista, nascido no Porto, em 1976.

A exposição começa com uma pequena maqueta de habitação social onde o artista cresceu, iniciando uma viagem desde a miniatura ao monumental. Usando apenas cartão e tinta, Carlos Bunga “constrói maquetas arquitetónicas, peças de mobília como esculturas e pinturas enquanto ambientes imersivos”, segundo o MAAT.

“Animado por filmes das suas ações e atuações, assim como documentação de uma década de obras, este é o primeiro grande panorama da obra de Bunga. Encenando ciclos de construção e destruição, Bunga explora estados de destituição e de nomadismo; a natureza da experiência espacial; e o potencial criativo e simbólico de uma ruína”, acrescenta o texto.

Carlos Bunga formou-se na Escola Superior de Artes e Design (ESAD), nas Caldas da Rainha, estudou em Nova Iorque e venceu o prémio EDP Novos Artistas em 2003. A sua obra é criada habitualmente através de intervenções em lugares escolhidos previamente, nos quais modifica as construções com papelão, tinta e fita adesiva.

O MAAT também vai apresentar um conjunto de obras inéditas de Ana Santos, distinguida em 2013 com o Prémio EDP Novos Artistas. Intitulada Anátema, a exposição enquadra-se no campo expandido da escultura — ou, mais concretamente, da produção de objetos — baseada numa prática que assenta “na procura de um muito particular estado de atenção”.

“Promovendo o recurso à sensibilidade e à intuição como instâncias que permitem sublinhar a unicidade do ato criativo, as suas peças resultam de um processo de reflexão sobre as características formais, funcionais, morfológicas ou cromáticas de determinados materiais ou objetos encontrados e das relações que entre eles possa querer testar ou estabelecer”, descreve o museu.

Hello, Robot será também apresentada no MAAT para examinar o mundo atual da robótica, com mais de 200 peças das áreas de design e arte, com robôs utilizados em casa, nos cuidados assistidos e na indústria, bem como em jogos de computador, e instalações de media.

O objetivo é demonstrar a vasta panóplia de formatos que a robótica adota hoje em dia e alerta-nos para as questões éticas, sociais e políticas a ela associadas, levantando a questão: “Será que contribui para melhorar o nosso mundo?”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)