Rádio Observador

Política

Presidente do PSD/Madeira rejeita “imposição colonial” de Lisboa

128

Miguel Albuquerque disse no congresso regional do partido que os sociais-democratas do arquipélago rejeitam "a imposição colonial" a partir de Lisboa. E promete combater "jacobinismo centralista".

HOMEM DE GOUVEIA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O presidente do PSD/Madeira, Miguel Albuquerque, disse este sábado — no decorrer do XVII Congresso regional do partido — que os sociais-democratas do arquipélago rejeitam “a imposição colonial” a partir de Lisboa. E promete combater o “jacobinismo centralista”.

“Não só rejeitamos a imposição colonial a partir de Lisboa, mas vamos combater politicamente, com todas as nossas forças, os comunistas e socialistas locais e os seus apêndices sorridentes, que estão, aqui, ao serviço do colonialismo de Lisboa para subjugar de novo o povo madeirense. Não passará”, disse Miguel Albuquerque na sessão de abertura do congresso.

O líder social-democrata considerou que a sociedade madeirense está bipolarizada politicamente entre os “autonomistas” do PSD/M e os “feitores do colonialismo lisboeta, os socialistas e os comunistas locais subordinados às ordens do poder central jacobino”.

“Por isto não há, nem nunca haverá acordos, transigências ou pactos com comunistas, bloquistas e socialistas locais”, declarou. Para Miguel Albuquerque, “o caminho é só um, o da defesa dos madeirenses e porto-santenses, em todos os momentos e em todas as circunstâncias”.

“Aqui [Madeira], enquanto nós estivermos, Lisboa não manda, nem vai mandar, nunca vai mandar”, insistiu. Realçando que o PSD/M é “um partido de combate”, de “não acomodados” e que não foi feito para “medrosos, Miguel Albuquerque apelou para o combate contra as “emergências das novas estratégias centralistas a partir de Lisboa”, com “o seu rol habitual de discriminação, de iniquidades e de injustiças contra o povo madeirense e porto-santenses”.

O recém-empossado presidente do PSD/M pediu ainda uma salva de palmas para o presidente honorário do partido, Alberto João Jardim, que governou a Madeira durante 38 anos. “Peço uma saudação a este grande madeirense, Dr. Alberto João Jardim, por tudo o que fez pelo nosso partido e pelo nosso povo”, pedido que foi seguido, de pé e de forma demorada, por uma plateia de mais de 700 militantes.

Miguel Albuquerque chamou ainda a atenção para as três eleições que a Região vai enfrentar, destacando que os adversários serão os socialistas e os comunistas locais “ao serviço do jacobinismo centralista”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Serviços públicos

O melhor dislate do ano

Fernando Leal da Costa

Que mania, a dos nossos concidadãos, que insistem em usar os serviços que lhes disseram ser públicos. E, logo que precisam, vão todos ao mesmo tempo. É muito irritante.

PSD/CDS

35 horas: outro vazio de representação /premium

Alexandre Homem Cristo

PSD e CDS já não defendem a convergência dos sectores público e privado (40 horas de trabalho semanais). Quem representa, então, os eleitores que compreenderam a sua medida em 2013? Ninguém.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)