Soares fez anos, soprou as velas e pediu o desejo. No dia a seguir, fez o primeiro hat-trick na Liga

Conceição elogiou o jogo "monstruoso" de Herrera e Óliver mas, graças a "Maredá" e Corona, a noite foi sobretudo boa para Soares, que apontou o seu primeiro hat-trick na Liga numa prenda com delay.

i

Um, dois, três: Soares tornou-se o terceiro jogador a marcar um hat-trick em Chaves para a Liga depois de Jardel e Nuno Gomes

AFP/Getty Images

Um, dois, três: Soares tornou-se o terceiro jogador a marcar um hat-trick em Chaves para a Liga depois de Jardel e Nuno Gomes

AFP/Getty Images

Quem o vê jogar, dificilmente acredita na idade que tem. Pela maturidade, pela capacidade de liderança, pela polivalência. Mas é mesmo verdade: Éder Militão, o central que os espanhóis colocam no Real Madrid dia-sim-dia-sim por uma quantia certa de 50 milhões de euros, fez esta sexta-feira 21 anos e recebeu os parabéns um pouco de todo o lado ao longo do dia. Uns parabéns que acabam por ser extensíveis a todos – ao brasileiro, pela data e pelo momento que atravessa; a Sérgio Conceição, pela aposta de sucesso que teve ao experimentar o jogador como lateral; ao FC Porto, que corre o “risco” de ter um lucro de 46 milhões num ano. Mas entre tantos parabéns, ainda sobrou uma parte para Soares – afinal, também ele soprara as velas na véspera.

“Primeiro tenho que dar os parabéns à equipa, que fez um grande jogo. Não demos nenhuma brecha ao adversário e estou muito feliz pelos três golos mas o mais importante são os três pontos. Todos os jogos são difíceis, encaramos tudo como finais. Quero também agradecer aos nossos adeptos, que vieram em massa. Estou muito feliz pelos golos que estou a fazer. Dedico-me, corro, ajudo a equipa de qualquer forma. Chegada da concorrência? Claro que ajuda porque quem vem, vem para ajudar. Todos os jogadores sabem o que querem e então é só levantar a cabeça”, comentou o avançado na zona de entrevistas rápidas, antes de agradecer ainda os parabéns cantados da bancada: “Foram golos de aniversário”.

Foi como se o avançado brasileiro de 28 anos tivesse soprado as velas, pedido um desejo e ver o mesmo concretizar-se no dia seguinte, num aniversário de 48 horas. O jogador contratado pelo FC Porto ao V. Guimarães no mercado de inverno de 2017 conseguiu o primeiro hat-trick ao serviço dos dragões e num jogo da Primeira Liga, depois de ter apontado três golos quando estava ainda no Nacional frente ao Mosteirense, a contar para a Taça de Portugal.

Em paralelo, Soares, apenas o nono jogador a fazer um hat-trick pelos azuis e brancos neste século depois de Deco, McCarthy, Derlei, Kleber, Jackson Martínez, Tello, Jota e Aboubakar, tornou-se o melhor marcador do FC Porto no Campeonato com oito golos, mais um do que Marega, que fez as duas primeiras assistências para o brasileiro antes do 3-0 a passe de Corona, que se colou a Alex Telles e Otávio no top dos jogadores dos dragões com mais passes para golo esta temporada (sete).

“Houve eficácia em termos do nosso processo ofensivo, que está associado ao equilíbrio defensivo. Foi um jogo muito consistente da minha equipa, a saber o que fazer para chegar à baliza e a marcar quatro golos. Tivemos ocasiões para fazer mais golos. Foi um bom jogo, fomos inteligentes na procura de situações de cruzamento e finalização, porque o Desp. Chaves apresentou-se com bloco baixo, com setores muito juntos, e isso implicaria que a minha equipa circulasse a bola de forma rápida”, começou por analisar Sérgio Conceição após a goleada em Trás-os-Montes, antes de destacar a exibição de dois jogadores em específico. “O coletivo ajudou o Soares, as individualidades só surgem quando o coletivo é forte e hoje tivemos esse coletivo muito forte. Todos os que surgem na frente fazem golos mas a linha defensiva foi de uma eficácia incrível e o Héctor [Herrera] e o Óliver [Torres] fizeram um jogo monstruoso em termos de posicionamento e leitura”, destacou, entre dúvidas no lance da grande penalidade que permitiu a Bruno Gallo marcar o golo de honra para a formação de Tiago Fernandes.

Em paralelo, e numa outra análise, o FC Porto voltou a inaugurar o marcador no seguimento de um lance de bola parada, naquele que foi o 11.º golo nascido neste género de situações (ou segundas bolas) em 18 jornadas do Campeonato:

2.ª jornada: Belenenses (fora, 3-2), Diogo Leite (livre lateral, 26′)

2.ª jornada: Belenenses (fora, 3-2), Alex Telles (penálti, 90+6′)

3.ª jornada: V. Guimarães (casa, 2-3), André Pereira (livre lateral, 43′)

4.ª jornada: Moreirense (casa, 3-0), Herrera (canto, 15′)

5.ª jornada: V. Setúbal (fora, 2-0), Sérgio Oliveira (livre direto, 78′)

8.ª jornada: Feirense (casa, 2-0), Felipe (livre indireto, 22′)

12.ª jornada: Portimonense (casa, 4-1), Marega (canto, 23′)

12.ª jornada: Portimonense (casa, 4-1), Marega (canto, 64′)

13.ª jornada: Santa Clara (fora, 2-1), Soares (canto, 45′)

15.ª jornada: Desp. Aves (fora, 1-0), Éder Militão (canto, 25′)

18.ª jornada: Desp. Chaves (fora, 4-1), Soares (canto, 24′)

Recomendamos

Populares

Últimas

A página está a demorar muito tempo.