Irlanda do Norte

Explosão na Irlanda do Norte. Polícia suspeita de envolvimento de dissidentes do IRA

A polícia da Irlanda do Norte está a investigar o alegado envolvimento de membros do Novo IRA, formados por dissidentes do antigo Exército Republicano Irlandês, na explosão de uma carrinha no sábado.

O incidente aconteceu depois das 20h deste sábado e não provocou feridos

Getty Images

A polícia da Irlanda do Norte suspeita que a explosão de uma carrinha armadilhada em frente a um tribunal em Londonderry, na noite de sábado, tenha sido provocada por dissidentes do Exército Republicano Irlandês (IRA). Dois jovens, com cerca de 20 anos, foram detidos.

O engenho foi colocado dentro de um veículo de entrega de pizzas roubado e explodiu quando a polícia, que recebeu um aviso, estava a evacuar a área, onde existe um hotel e alguns bares. Um grupo de 150 pessoas teve de ser retirado de um clube que fica do outro lado da Bishop Street, onde a bomba foi colocada, referiu o The Irish Times. O incidente, que aconteceu pouco depois das 20h, não provocou feridos. As autoridades continuam no local, acompanhadas por especialistas da brigada de minas e armadilhas.

O chefe de polícia assistente, Mark Hamilton, descreveu a bomba era um dispositivo artesanal e instável, considerando o ataque “incrivelmente imprudente”. “As pessoas responsáveis por este ataque não mostraram nenhuma consideração pela comunidade ou empresas locais”, disse Hamilton. O responsável adiantou ainda que a “principal linha de investigação” é de que o engenho foi colocado junto ao tribunal por um grupo conhecido como o Novo IRA.

Formado em 1997 por um grupo de dissidentes do IRA, na sequência do anúncio de cessar-fogo da organização paramilitar, o Novo IRA tem por objetivo a unificação das duas Irlandas e o fim do domínio britânico no norte da ilha. É considerado uma organização terrorista pelo Reino Unido e Estados Unidos da América. O nome Novo IRA foi criado pela comunicação social. O grupo apelida-se simplesmente de Exército Republicano Irlandês.

A ministra britânica da Irlanda do Norte, Karen Bradley, condenou o ataque. Os responsáveis, acrescentou Karen Bradley, “não têm absolutamente nada a oferecer” ao futuro da Irlanda do Norte. “Esta é uma violência intolerável e esperamos construir um futuro pacífico para todos na Irlanda do Norte”, disse a ministra britânica.

O autarca da cidade também conhecida como Derry (o nome é disputado entre nacionalistas e unionistas), John Boyle, disse que a violência “está no passado e tem que permanecer no passado”. Elisha McCallion, uma política do Sinn Fein (antigo braço político do IRA), disse à imprensa que “ninguém quer este tipo de incidente”. “Não é representativo da cidade. Incentivo a qualquer pessoa com informações sobre este incidente, para as fazer chegar à polícia”, declarou.

Mais de 37.00 pessoas morreram durante décadas de violência antes do acordo de paz da Irlanda do Norte, em 1998. A maioria dos militantes renunciou à violência, mas pequenos grupos de dissidentes do IRA realizaram explosões e tiroteios ocasionais.

O Governo de partilha de poder da Irlanda do Norte foi suspenso por dois anos por causa de uma disputa entre os principais partidos políticos protestantes e católicos. A incerteza sobre o futuro da fronteira irlandesa depois do Brexit está a aumentar as tensões.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)