Moçambique

Moçambique. Primeiro-ministro afirma que investigação às dividas do Estado influencia diálogo com credores

O primeiro-ministro moçambicano espera soluções no interesse dos moçambicanos, no âmbito do caso das dívidas ocultas, no valor de 2 mil milhões de dólares a favor de três empresas do Estado.

O governante falava em Maputo naquela que foi a primeira posição do executivo desde a detenção do ex-ministro das Finanças de Moçambique, Manuel Chang

ANTÓNIO SILVA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O primeiro-ministro moçambicano, Carlos Agostinho do Rosário, disse esta segunda-feira que as revelações da investigação norte-americana às dívidas do Estado “trazem novos elementos para o diálogo com os credores”. O governante falava em Maputo, durante um encontro com editores de órgãos de comunicação, naquela que foi a primeira posição do executivo desde a detenção do ex-ministro das Finanças de Moçambique, Manuel Chang, a 29 de dezembro, na África do Sul.

Rosário disse que esperava “soluções no interesse dos moçambicanos”, no âmbito daquele que é conhecido como o caso das “dívidas ocultas”, no valor de dois mil milhões de dólares a favor de três empresas do Estado de pescas e segurança marítima. Presente no mesmo encontro, o ministro da Economia e Finanças, Adriano Maleiane, referiu que as revelações fazem “crer que os credores também vão ter que pensar”.

Especificamente sobre a detenção de Manuel Chang, o primeiro-ministro disse que se trata de matéria processual com tramitação nas entidades judiciais e que, no interesse de todos os moçambicanos, o caso “deve ser esclarecido”. “Deve haver responsabilização e recuperação de ativos” para Moçambique, onde se verifique ser o caso, acrescentou, destacando que o momento é de “aguardar com serenidade pelo desfecho deste processo”.

Carlos Agostinho do Rosário pediu ainda vigilância da população face “àqueles que podem aproveitar-se da situação para pôr em causa a ordem pública”. O apelo surge no dia em que o Centro de Integridade Pública (CIP), ONG moçambicana, denunciou uma ação da polícia junto à sua sede, mandando despir camisolas com a frase “Eu não pago”, no âmbito de uma campanha de contra a inclusão das dívidas ocultas nas contas públicas. A polícia argumentou que era necessário retirar as t-shirts para evitar distúrbios, relataram vários interpelados.

O primeiro-ministro referiu que “é do interesse do Estado que o Governo não paga desde 2016 as dívidas” das três empresas públicas em causa. Por outro lado, salientou que a sua inclusão nas contas gerais do Estado de 2015 se devem apenas ao estrito cumprimento de normas contabilísticas, sem inviabilizar ações subsequentes.

Carlos Agostinho do Rosário e Adriano Maleiane referiram que, apesar de outras questões importantes, não se devem desviar as atenções da importante “conquista da paz”, numa alusão às conversações em curso desde 2017 com a Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), na sequência do cessar-fogo iniciado em dezembro de 2016.

O ex-ministro das Finanças de Moçambique Manuel Chang, três ex-banqueiros do Credit Suisse e um intermediário da Privinvest foram detidos em diferentes países desde 29 de dezembro a pedido da justiça norte-americana. De acordo com a acusação, as dívidas ocultas garantidas pelo Estado moçambicano entre 2013 e 2014 para três empresas de pesca e segurança marítima terão servido de base para um esquema de corrupção e branqueamento de capitais com vista ao enriquecimento de vários suspeitos.

O Governo tinha anunciado em novembro um princípio de acordo com os credores de títulos da dívida — eurobonds que correspondem a cerca de 40% dos empréstimos — aos quais queria começar a fazer pagamentos em março, mantendo conversações com os bancos Credit Suisse e VTB sobre os 60% que emprestaram.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)