Eurostat

Portugal com o segundo maior excedente orçamental da UE no terceiro trimestre

134

Números do Eurostat dizem respeito apenas aos três meses entre julho e setembro, mas Portugal iguala a Bulgária e fica apenas atrás de Malta.

SIMELA PANTZARTZI/EPA

Portugal registou o segundo maior excedente orçamental da União Europeia no terceiro trimestre do ano passado, com um salto de 3,6% do PIB entre julho e setembro, a par da Bulgária e apenas atrás dos 3,8% de Malta. Os números relativos a Portugal já se sabiam, mas esta segunda-feira o Eurostat divulgou os dados do saldo das administrações públicas de todos os estados-membros relativos ao terceiro trimestre, o que possibilita a comparação.

Já que no diz respeito à evolução entre trimestres (nomeadamente face ao segundo trimestre de 2018), Portugal surge como a maior subida — um ganho de 6,4 pontos percentuais. No segundo trimestre do ano passado, as contas das administrações públicas apresentavam um défice de 2,8%

Na zona euro, por seu lado, o défice público fixou-se, no terceiro trimestre de 2018, nos 0,3% do Produto Interno Bruto (PIB). Na União Europeia (UE), o rácio do défice público em relação ao PIB aumentou para os 0,6% entre Julho e Setembro face ao período anterior (0,4%), mas diminuiu na comparação com o terceiro trimestre de 2018 (0,8%).

De acordo com o gabinete estatístico da UE, entre os países para os quais há dados disponíveis, Malta teve o maior excedente orçamental entre Julho e Setembro (3,8%), seguindo-se Portugal e a Bulgária (3,6% cada).

A Roménia (-3,6% do PIB) teve o maior défice público, seguindo-se a França (-3,1%) e a Letónia (-2,1%).

As contas do Eurostat dizem respeito apenas aos três meses que vão de julho a setembro de 2018. No acumulado dos nove primeiros meses de 2018 (ou seja, considerando o primeiro, segundo e terceiro trimestres), Portugal regista um excedente de 0,7%, mas esta percentagem deverá ser afetada pelo último trimestre, quando o Estado tem de contabilizar despesa como os subsídios de Natal da Função Pública (novembro) e pensionistas (dezembro), este ano pagos integralmente nesses meses.

Na semana passada, o Conselho das Finanças Públicas apontou o crescimento da receita (sobretudo da receita fiscal e contributiva) como “determinante” para a melhoria do saldo orçamental no terceiro trimestre. Aliás, o CFP especificou mesmo que o crescimento da receita angariada pelo Estado até setembro (5,4%) foi maior do que o total previsto para o conjunto do ano de 2018 (4,9%).

O Eurostat também divulgou dados sobre a situação da dívida dos Estados-membros no terceiro trimestre. Portugal registava no final de setembro de 2018 uma dívida externa de 248,9 mil milhões de euros, ou seja 125% do PIB. Este valor representa uma variação nula (em percentagem do PIB) face ao trimestre anterior, e uma diminuição de 4,6 pontos percentuais face ao mesmo período de 2017 (quando a dívida estava nos 129,5% do PIB). No espaço de um ano, apenas dois países da UE conseguiram reduzir mais dívida do que Portugal: a Eslovénia (-8 pontos percentuais) e Malta (-6,8 pontos percentuais).

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)