O chefe João Rodrigues venceu pela terceira vez consecutiva o primeiro lugar das categorias “Restaurante”, com o restaurante Feitoria, no Altis de Belém, e “Chefe” dos Prémios Mesa Marcada. A distinção, conhecida esta segunda-feira numa cerimónia no Ritz Four Seasons Hotel, em Lisboa, resultou da votação de 208 chefes de cozinha, responsáveis por restaurantes, jornalistas, críticos, bloguers e, também, clientes.

O blogue Mesa Marcada, criado por Duarte Calvão e Miguel Pires, decidiu promover, ainda em 2009, uma votação que elegesse os melhores restaurantes e chefes de cozinha do ano, ou “Os Preferidos”. Nessa altura, não havia em Portugal qualquer iniciativa no género, apenas prémios e concursos atribuídos por revistas, guias ou entidades ligadas ao setor ou aos media. Nenhum deles era escrutinado por um júri tão alargado.

Ao décimo ano de prémio, numa cerimónia que contou com cerca de 400 profissionais da gastronomia — desde o chefe, ao enólogo, não esquecendo donos de restaurantes e profissionais de hotelaria — foi criado um novo prémio, apenas conhecido na noite da cerimónia. Chama-se Prémi0 10 Anos Mesa Marcado e foi atribuído ao chefe José Avillez, o que mais vezes ganhou ao longo desta década (seis vezes como Chefe e seis como restaurante, qutro com o Belcanto e dois com o Tavares). Também este ano de 2019 o Belcanto ocupou o terceiro lugar do Top 10 dos melhores restaurantes e Avillez o segundo do Top 10 dos melhores chefes.

Os vencedores, depois de entregues os prémios

António Galapito, Chefe do restaurante Prado, foi também um dos grandes vencedores. Leva para casa o Prémio Especial Makro Chefe Revelação do Ano — atribuído a um novo chefe de cozinha que se tenha evidenciado na classificação — e o Prémio Especial Estrella Damm Destaque do Ano, dado ao restaurante ou chefe que mais se destacou no Top 10. Além disso, o restaurante ficou em quinto lugar nos Restaurantes Preferidos e o chefe em 6º lugar dos Chefes Preferidos. Galapito foi assim distinguido com quatro prémios.

A Taberna Sal Grosso ganhou o Prémio Especial Bom Sucesso “Mesa Diária” e foi eleita como o “restaurante favorito de preço moderado que frequente regularmente ou que recomendaria a um amigo”. Já o restaurante Epur, que marca o regresso de Vincent Farges a Portugal, conquistou o Prémio Especial Graham’s Restaurante Novo do Ano e a entrada direta do seu restaurante no 9º lugar do Top 10 dos Restaurantes.

João Rodrigues, chef do Feitoria (Lisboa), a receber o prémio de melhor restaurante

O Lugar do Olhar Feliz (LOF), projeto de produção de citrinos do casal Jean-Paul e Ann Brigand, no Cercal, Alentejo, foram os vencedores do Prémio Maria José Macedo – Produtor / Fornecedor do Ano, atribuído a um produtor após consulta a vários chefes.

Todos os anos a organização tem acrescentado prémios especiais ao evento. Este ano foi o Prémio Especial Cutipol Carreira, atribuído a Dieter Koschina, pelo seu trabalho no Vila Joya  por um painel restrito composto pelos 20 Chefes que nos últimos cinco anos constaram no Top 10 e venceram os prémios especiais (tal como Prémio Maria José Macedo – Produtor / Fornecedor do Ano). E o Prémio Especial Delta Chefe Pasteleiro do Ano, entregue a Joaquim Sousa, da Ladurée /JNcQuoi — um prémio que visa valorizar e homenagear outras áreas da gastronomia e da restauração e que foi escolhido por 27 jurados do setor.

Imagem disponibilizada pela organização do evento