Autoridade Tributária

Trabalhadores e inspetores tributários exigem abertura de concursos congelados

Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos queixa-se de atrasos no processamento de vencimentos, congelamento de concursos de promoção ou falta de clarificação de regras sobre mobilidade intercarreiras.

A ausência de uma resposta do Governo relativamente ao processo de revisão das carreiras levou o Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos a marcar uma greve entre os dias 26 e 31 de dezembro de 2018

MÁRIO CRUZ/LUSA

Os trabalhadores dos impostos e os inspetores tributários e aduaneiros exigem a abertura imediata dos concursos promocionais congelados há vários anos e a clarificação das regras dos procedimentos de mobilidade intercarreiras.

Num comunicado divulgado pelo Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos (STI), na sequência de uma reunião com a direção da Autoridade Tributária e Aduaneira, esta estrutura sindical critica a forma como os Recursos Humanos da AT têm gerido algumas questões e dá conta de situações em que os trabalhadores têm visto “sucessivamente as suas legítimas expetativas defraudadas ou adiadas”.

Em causa estão, segundo refere a estrutura sindical presidida por Paulo Ralha, questões relacionadas com atrasos no processamento dos vencimentos dos trabalhadores no âmbito dos ciclos de avaliação permanente, o congelamento de concursos de promoção ou ainda falta de clarificação de regras do procedimento de mobilidade intercarreiras, nomeadamente no que diz respeito a prazos de início, duração e moldes em que os períodos experimentais vão decorrer.

Em declarações à Lusa, Paulo Ralha referiu que já foi lançado o processo de mobilidade intercarreiras para os trabalhadores licenciados em áreas consideradas orgânicas para a AT (como Direito ou Economia, por exemplo), a que deve seguir-se o procedimento para os licenciados em áreas não orgânicas. Para o STI é igualmente necessário que se crie uma solução para que os funcionários que não são licenciados possam progredir, nomeadamente através do reconhecimento da sua experiência profissional.

Também em comunicado emitido pela Associação Sindical dos profissionais de Inspeção Tributária e Aduaneira (APIT) após de uma reunião com a direção da AT são salientados os procedimentos concursais e a mobilidade, com a APIT a exigir “uma estratégia integrada que garanta transparência e igualdade no momento e nos parâmetros aplicados”.

A par destes temas, ambas as estruturas sindicais querem que o Governo dê prioridade ao processo de revisão das carreiras especiais da AT. Ainda que esta questão vá além do âmbito de atuação da Direção da AT, a APIT aproveitou a reunião para transmitir “o descontentamento, o mau estar e o descrédito que os sucessivos atrasos e os incumprimentos de calendário criaram nos trabalhadores”. Também o STI salienta que “até ao momento, o Governo continua sem apresentar um projeto articulado de diploma de carreiras para discussão e negociação com os Trabalhadores”.

A inclusão dos trabalhadores das carreiras especiais da AT no universo de funcionários públicos com vínculo por nomeação, a criação de carreiras autónomas e de promoções e a atribuição do estatuto de órgão de polícia criminal à AT e aos seus trabalhadores são algumas das medidas que devem ser tidas em conta neste processo de revisão das carreiras.

Recorde-se que a ausência de uma resposta do Governo relativamente a este processo de revisão das carreiras levou o STI a marcar uma greve entre os dias 26 e 31 de dezembro de 2018.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Programa de Estabilidade

O “truque”de Mário Centeno

Inês Domingos

O programa de Estabilidade, mais do que previsões, apresenta-nos unicórnios alados, que servem lindamente para contar histórias às crianças, mas não são uma forma credível de preparar o futuro do país

Civilização

A evidência é desprezada?

António Cruz Gomes

Ainda que nascidos transitórios – para viver no mundo, com o mundo e pelo mundo – fomos indelevelmente marcados por uma aspiração transcendental.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)