Depois de alguns teasers expondo apenas partes de um novo modelo, eis que finalmente a Geely decidiu levantar por completo o véu que pairava sobre a sua mais recente criação. Trata-se de um SUV com ares de coupé – outra fórmula impensável há uns anos, mas que tem vindo a granjear um número crescente de adeptos –, baseado na mesma plataforma que serve o Volvo XC40.

A Compact Modular Architecture (CMA) foi desenvolvida em conjunto pelos dois fabricantes controlados pelo chinês Li Shufu  – o mesmo que adquiriu uma fatia de 9,7 % da Daimler -, pelo que é natural que seja aproveitada por ambas as partes. Sucede, porém, que Geely e Volvo não encaram o mercado da mesma madeira, pois se a primeira quer reforçar a sua posição entre os construtores premium, a segunda não esconde que tem por meta vender 2 milhões de carros por ano, até 2020. Para ter uma ideia da dimensão do objectivo, basta ter presente que a Volvo comercializou 642.253 unidades em 2018, e foi um recorde, estipulando como meta alcançar as 800 mil em 2020.

Para crescer nas vendas, a Geely tem vindo a reforçar a sua gama, como acaba de acontecer com a revelação deste FY11, cuja chegada ao mercado deverá ocorrer ainda este ano. Para já, apenas no mercado doméstico.

A denominação do SUV coupé ainda não é a definitiva, mas o nome comercial de pouco interessará quando estamos perante um modelo que deverá ser comercializado por valores mais em conta que os praticados pela Volvo e que, no entanto, continuará a esgrimir o trunfo da engenharia sueca. Tanto mais que a mecânica ao seu serviço é de origem Volvo, com o FY11 a montar um motor a gasolina de quatro cilindros (2.0T). A potência é de 235 cv e o binário de 350 Nm, podendo a tracção limitar-se às rodas da frente ou ser integral.

A frente é particularmente atraente, com o FY11 a optar por linhas muito rectilíneas, realçadas por uma grelha de desenho poligonal cuja secção inferior é adornada por uma fina faixa cromada que, por sua vez, age como ligação dos faróis em LED.

Já quando observado de perfil, a nova proposta da Geely destaca-se pela linha de cintura ascendente, contrariamente ao “cair” do tejadilho, opção que não só convoca um certo estilo tipo fastback, como contribui para reforçar a imponência da traseira. E é atrás que este SUV ganha mais “músculo”, de certa forma lembrando o BMW X4.