Rádio Observador

Open da Austrália

Nadal e Tsitsipas nas ‘meias’ do Open da Austrália em dia histórico para Portugal

O grego venceu o espanhol Roberto Bautista tornando-se no mais jovem jogador a qualificar-se para as meias-finais de um torneio do Grand Slam desde Novak Djokovic. Já Nadal derrotou Frances Tiafoe.

O espanhol Rafael Nadal e o grego Stefanos Tsitsipas irão defrontar-se nas meias-finais do Open da Austrália

LUKAS COCH/EPA

O espanhol Rafael Nadal e o grego Stefanos Tsitsipas marcaram esta terça-feira encontro nas meias-finais do Open da Austrália, enquanto João Sousa tornou-se o primeiro tenista português a atingir as ‘meias’ de um ‘major’, em seniores, na prova de pares.

O vimaranense, de 29 anos, e o parceiro Leonardo Mayer, eliminaram o neozelandês Michael Venus e o sul-africano Raven Klaasen, sextos cabeças de série e finalistas de Wimbledon em 2018, por 6-4 e 7-6 (8-6), e garantiram a qualificação inédita para a fase seguinte em Melbourne Park.

“Jogar os quartos-de-final de um Grand Slam é um grande prazer, especialmente num ‘court’ como este [Margaret Court Arena]. Jogámos um grande encontro e estamos muito contentes por passar às meias-finais. Servimos muito bem, respondemos bem e estamos muito contentes com o nível jogado durante toda a semana”, comentou o português, 45.º colocado na hierarquia ATP de pares, revelando sentir que o “trabalho duro compensa”.

Sousa e o argentino Mayer vão agora discutir a passagem à final com os vencedores do encontro entre Jamie Murray/Bruno Soares, terceiros cabeças de série, e Henri Kontinen/John Peers.

Na competição de singulares, Nadal encerrou a jornada desta terça-feira com um triunfo nos quartos de final frente a Frances Tiafoe (39.º ATP), a jogar pela terceira vez o quadro principal do Open da Austrália, pelos parciais de 6-3, 6-4 e 6-2, em menos de duas horas.

O número dois do ‘ranking’ mundial e detentor de 17 títulos do Grand Slam nunca tinha defrontado o jovem norte-americano, de 21 anos, mas não encontrou grandes dificuldades para, com quatro ‘break points’ convertidos, em oito, e 29 ‘winners’, face aos 23 erros não forçados, regressar pela sexta vez ao grupo de quatro finalistas do Open da Austrália, cujo o título conquistou em 2009.

Apesar da derrota, Tiafoe vai integrar pela primeira vez na carreira o top-30 da hierarquia ATP, quando for atualizada na próxima segunda-feira, enquanto Nadal vai defrontar agora Tsitsipas, que venceu duas vezes na temporada passada, no ATP 500 de Barcelona e no Masters 1000 do Canadá.

“Depois de alguns problemas, voltar às meias-finais significa tudo para mim”, confessou o esquerdino, que não cedeu qualquer ‘set’ até às meias-finais e está a regressar oficialmente à competição nesta 107.ª edição do Open da Austrália, após uma cirurgia ao tornozelo direito em novembro de 2018.

Já Tsitsipas, que tinha eliminado Roger Federer nos oitavos de final, voltou a fazer mais uma vítima, desta vez Roberto Bautista Agut. O espanhol não conseguiu travar o grego que, aos 20 anos, atingiu pela primeira vez as meias finais de um torneio do Grand Slam, ao conquistar o triunfo pelos parciais de 7-5, 4-6, 6-4, 7-6 (7-2).

“Isto é um conto de fadas. Estou a viver um sonho. Depois da minha vitória sobre o Federer ficou tudo louco, mas mantive-me focado porque era importante dar sequência. Não adianta de nada ganhar ao Federer e perder logo depois”, defendeu o número 14 do ‘ranking’ ATP, a jogar apenas pela segunda vez o quadro principal do ‘major’ da Ásia-Pacífico.

Naquele que foi o primeiro encontro entre os dois, Tsitsipas tornou-se ainda no mais jovem jogador a qualificar-se para as meias-finais de um torneio do Grand Slam desde Novak Djokovic, no US Open, em 2007.

“Há umas semanas defini que um dos meus objetivos de 2019 era chegar às meias-finais de um Grand Slam e achei que estava louco. Mas afinal não”, confessou o jovem helénico, que é igualmente o mais novo tenista a apurar-se para os quatro semifinalistas do Open da Austrália desde Andy Roddick, em 2003.

Na prova feminina, destaque para a vitória da checa Petra Kvitova diante a australiana Ashleigh Barty, por 6-1 e 6-4, que lhe permitiu regressar pela primeira vez às meias-finais de um torneio do Grand Slam desde Wimbledon, em 2014, e ascender à liderança do ‘ranking’ WTA, na próxima segunda-feira, relegando a romena Simona Halep para a segunda posição.

Depois de ter sido esfaqueada na mão esquerda durante um assalto à sua casa, em dezembro de 2016, Kvitova foi submetida a uma cirurgia de reconstrução e falhou a primeira metade da temporada seguinte. Hoje, na entrevista em ‘court’, confessou “nunca” ter imaginado “poder voltar a jogar” no “grande estádio” que é a Rod Laver Arena.

A próxima adversária de Kvitova, bicampeã de Wimbledon, é a norte-americana Danielle Collins, que bateu a russa Anastasia Pavlyuchenkova em três partidas, por 2-6, 7-5 e 6-1, em pouco mais de duas horas de encontro.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)