Rádio Observador

Moçambique

Secretária de Estado portuguesa visita Moçambique para consultas políticas

A visita ocorre num contexto de crise no país, mas a governante portuguesa assegura que se insere "no quadro normal das consultas políticas com Moçambique".

Teresa Ribeiro, ssecretária de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação

TIAGO PETINGA/LUSA

A secretária de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação portuguesa, Teresa Ribeiro, visitará Moçambique na primeira quinzena do próximo mês para “consultas políticas”, disse esta terça-feira a própria em declarações à Lusa.

“Irei a Moçambique na primeira quinzena de fevereiro para consultas políticas com o meu homólogo. Ainda estamos na fase de estabilização de datas, mas será em princípio entre 13 e 16”, disse Teresa Ribeiro.

Uma visita que ocorre num contexto de crise no país, mas que a governante portuguesa assegura que se insere “no quadro normal das consultas políticas com Moçambique”.

Porém, Teresa Ribeiro admitiu “preocupação com o cenário que o país atravessa”.

“Com certeza, que nos preocupamos com Moçambique. E aquilo que esperamos é que Moçambique, no quadro das suas responsabilidades, encontre as melhores respostas para todos os seus desafios”, afirmou a secretária de Estado.

“Sabemos que o país está a trabalhar estreitamente com o FMI (Fundo Monetário Internacional), e isso é muito importante para todas as matérias que estão em questão”.

Agora, defendeu Teresa Ribeiro, é preciso esperar que no quadro desse trabalho conjunto que está a ser desenvolvido com o FMI “se consigam encontrar as soluções que permitam ao país explorar as suas riquezas naturais e que se possa com isso almejar o desenvolvimento que beneficie o conjunto dos moçambicanos”.

“Essa é a vontade seguramente dos moçambicanos e também a vontade de Portugal”, afirmou.

Moçambique é para a secretária de Estado “um país com uma promessa de desenvolvimento imensa”. Tem recursos naturais preciosos, tem gás natural e um conjunto de parceiros internacionais “muito importantes” interessados na exploração do gás.

Aquilo que importa é que “tenha paz”, sublinhou Teresa Ribeiro, considerando que o Presidente de Moçambique, Filipe Niusy, “tem dado passos e sinais importantes” na concretização da paz que todos os moçambicanos desejam.

Com um processo e paz efetivo ainda em construção entre Governo e Renamo, o maior partido da oposição no país, que só há uma semana elegeu um novo líder, e com ataques sucessivos de grupos armados, sobretudo no norte do país, espalhando a violência, Moçambique enfrenta ainda outro fator de grande instabilidade: um processo de investigação levado a cabo pelos EUA que atinge nomeadamente o ex-ministro das Finanças Manuel Chang, suspeito de corrupção no chamado caso das dívidas ocultas.

O ex-ministro das Finanças de Moçambique Manuel Chang, três ex-banqueiros do Credit Suisse e um intermediário da Privinvest foram detidos em diferentes países desde 29 de dezembro a pedido da justiça norte-americana.

De acordo com a acusação, as dívidas ocultas garantidas pelo Estado moçambicano entre 2013 e 2014 para três empresas de pesca e segurança marítima terão servido de base para um esquema de corrupção e branqueamento de capitais com vista ao enriquecimento de vários suspeitos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Cooperação económica

De braço dado com Angola

José Manuel Silva

O momento político angolano é propício à criação de laços baseados na reciprocidade e na igualdade de tratamento, sem complexos de nenhuma espécie. A história foi o que foi, o presente está em curso.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)