Rádio Observador

Universidades

Execução de 451 milhões de euros da FCT foi a maior desde 2010

Do valor da execução, 433 milhões de euros destinaram-se a investimento e o restante a operação interna, segundo Manuel Heitor. Ministro avança que 2019 está já a ser bom para execução da FCT.

O ministro Manuel Heitor deslocou-se ao parlamento a pedido do BE e do PSD, este último para questionar sobre o acordo de legislatura e a situação do Instituto Politécnico de Leiria

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT) registou no passado uma execução de 451 milhões de euros, o valor mais elevado desde 2010, disse esta quarta-feira no parlamento o ministro da tutela, Manuel Heitor.

“A execução deve encher-nos de orgulho e de satisfação”, disse à agência Lusa o governante no final de uma audição na Comissão de Educação e Ciência. Daquele valor, 433 milhões de euros destinaram-se a investimento e o restante a “operação interna”, de acordo com o governante. Manuel Heitor avançou que 2019 está a ser já um ano “muito bom” para a execução da FCT.

O ministro deslocou-se ao parlamento a requerimento do Bloco de Esquerda e do PSD, este último para questionar sobre o acordo de legislatura e a situação do Instituto Politécnico de Leiria. O PSD acusou o Governo de incumprimento deste acordo com as instituições de ensino superior, o que o ministro rejeitou. “O acordo de legislatura foi e está a ser cumprido”, garantiu Manuel Heitor.

A deputada do CDS-PP Ana Rita Bessa desafiou o ministro a assumir em que tempo é cumprido o acordo, alegando que fazer transferências no ano seguinte para colmatar verbas em falta permite ao Governo dizer que cumpre o acordo e permite às instituições dizerem que não cumpre.

O ministro rejeitou igualmente que haja problemas com as verbas do Politécnico de Leiria e disse que tem falado com os responsáveis da instituição, à semelhança do trabalho que tem desenvolvido com outras instituições, nomeadamente no âmbito da reprogramação de fundos comunitários.

No relatório do grupo de trabalho de monitorização e controlo orçamental das instituições de ensino superior, enviado aos deputados, está inscrita uma receita global destas instituições de 1.931,7 milhões de euros (valores provisórios) no final de dezembro de 2018.

Este valor não inclui saldos transitados de anos anteriores, “o que traduz um acréscimo de 107,4 milhões de euros (5,9%)”, face a igual período de 2017, de acordo com o documento.

Os dados relativos à execução global das instituições de ensino reportam que se cobraram mais 20,6 milhões de euros de receitas gerais, 32,4 milhões de euros de receitas próprias, 56,4 milhões de euros de fundos comunitários e menos dois milhões de euros em transferências da Administração Pública.

Para as universidades estão inscritos 1.416,8 milhões de euros, mais 80,9 milhões de euros (6,1%) face a 2017, e para os institutos politécnicos 514,9 milhões de euros, mais 26,6 milhões de euros (5,4%).

Até ao final de dezembro, a despesa destas instituições foi de 1.914,9 milhões de euros, mais 71 milhões de euros (3,8%) relativamente ao período homólogo, de acordo com os dados constantes na nota sobre a execução orçamental do ministério.

As despesas com pessoal atingiram 1.361,8 milhões de euros e representaram 71% do total. “Gastaram-se mais 37,2 milhões de euros (2,8%) em despesas de pessoal do que em igual período de 2017”, refere-se no trabalho de monitorização.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Universidades

Os concursos de promoção do pessoal docente

Gonçalo Homem de Almeida Correia

É preciso pensar de outra forma o ensino superior valorizando os que estão dentro e apostando nos que vêm de fora com outras ideias. E isso não passa necessariamente por gastar mais dinheiro.

Educação

Uma escola nova, um Homem novo

Luís Filipe Torgal
240

Na escola da flexibilidade não há lugar para incrédulos: quem denuncia as contradições da cartilha é rotulado de professor ignorante, senil e falastrão, aluno arrogante ou pais elitistas e reacionários

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)