Óbito

Morreu Oliver Mtukudzi, lenda do jazz no Zimbabué, aos 66 anos

115

"Tuku" Oliver Mtukudzi morreu aos 66 anos. O músico do Zimbabué estava internado em estado crítico desde o final do ano passado, com diabetes. Músico somava mais de 40 anos de carreira e 60 álbuns.

Oliver Mtukudzi foi um destacado ativista dos direitos humanos, em África, tendo sido embaixador da UNICEF para a África oriental e meridional

NIC BOTHMA/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O músico do Zimbabué “Tuku” Oliver Mtukudzi, “lenda do jazz” no Zimbabué, morreu na quarta-feira, em Harare, aos 66 anos, e foi esta quinta-feira declarado herói nacional pelo Presidente do país, Emmerson Mnangagwa.

“Oliver Mtukudzi morreu”, anunciou a família do músico, que tocou no Festival Músicas do Mundo, em Sines, no passado dia 28 de julho. Mtukudzi, de acordo com a sua família, “estava internado em estado crítico na Unidade de Cuidados Intensivos” de uma clínica da capital do Zimbabué, desde o final do ano passado, pelo agravamento da diabetes, de que padecia.

Emmerson Mnangagwa, que visitou esta quinta-feira a família do músico, disse que Mtukudzi era um patriota que “deu conforto ao povo [do Zimbabué] durante os anos mais difíceis” do país, de acordo com as agências internacionais. O líder da oposição, Nelson Chamisa, também visitou a casa de Mtukudzi para homenagear o músico.

“Tuku” Oliver Mtukudzi (1952-2019), o músico do Zimbabué com maior presença internacional, somava mais de 40 anos de carreira e 60 álbuns editados, sobretudo cantados em inglês e nas línguas locais, shona e ndebele. Foi um destacado ativista dos direitos humanos, em África, tendo sido embaixador da UNICEF para a África oriental e meridional.

Como cantor e guitarrista sintetizou influências da música mbira, do instrumento tradicional do povo shona, da dança jiti, dos padrões de percussão do katekwe do seu clã (os Korekore) e do ritmo sul-africano mbaqanga.

De acordo com a organização do Festival Músicas do Mundo, “a identidade musical de Mtukudzi era tão única que levou o seu próprio nome, ‘Tuku music'”. Mtukudzi atuou em Sines no ano passado com a sua própria banda, The Black Spirits, sexteto que o acompanhava desde os anos de 1970.

Terminado o concerto, já em Lisboa, na partida para Harare, Mtukudzi escreveu na sua conta oficial no Twitter: “Obrigado, Portugal. Foi assombroso. Obrigado por todo o vosso apoio. Infelizmente, temos de partir. Espero que nos voltemos a encontrar em breve”.

“Se alguém [nos] deu alguma vez orgulho de sermos do Zimbabué, foi Oliver Mtukudzi”, disse o ministro da Educação, Desporto e Cultura de Harare, David Coltart, em reação à morte do músico. “Obrigado por nos teres feito felizes durante tanto tempo”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Espanha 2015

Nem tudo vale na política

Dantas Rodrigues

Oportunismos como o da candidatura de Manuel Valls em Barcelona é que degradam a imagem da política e alimentam a propagação de partidos populistas sejam eles de extrema-direita ou de extrema-esquerda

Igreja Católica

Tríptico europeu /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

A Europa do terceiro milénio, perdida a sua identidade cristã, que era a razão de ser da sua unidade e grandeza, é um continente à deriva.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)