Bolsa de Nova Iorque

Wall Street fecha em alta com investidores divididos entre resultados e conjuntura

A sessão começou em terreno positivo, mas as inquietações sobre o crescimento da economia internacional e a revisão em baixa do FMI para 2019 forçaram os índices a regressar a níveis negativos.

Os resultados definitivos da sessão indicam que o seletivo Dow Jones Industrial Average valorizou 0,70%, para os 24.575,62 pontos

JUSTIN LANE/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A bolsa nova-iorquina fechou esta quarta-feira em alta uma sessão hesitante, com os investidores divididos entre resultados trimestrais encorajadores de empresas relevantes na praça, como IBM e United Technologies, e a persistência de receios com a conjuntura económica internacional.

Os resultados definitivos da sessão indicam que o seletivo Dow Jones Industrial Average valorizou 0,70%, para os 24.575,62 pontos. Apesar de mais débeis, os outros índices também apresentaram ganhos, com o tecnológico Nasdaq a avançar 0,08%, para as 7.025,77 unidades, e o alargado S&P500 a progredir 0,22%, para as 2.638,70.

A sessão começou claramente em terreno positivo, graças ao desempenho de vários membros do Dow Jones. O grupo informático IBM, que divulgou na terça-feira, depois do fecho das transações, resultados no último trimestre de 2018 melhores do que os esperados, chegou a estar a valorizar 8,46%.

O conglomerado industrial United Technologies, que beneficiou com a forte procura no setor aeronáutico, avançou 5,38%. O fabricante de produtos de higiene Procter and Gamble, que reviu em alta os seus objetivos, ganhou 4,87%.

“A época dos resultados está a correr bem até agora”, comentou Art Hogan, responsável pela estratégia de mercado da National. “Das empresas que já apresentaram as suas contas, 73% publicaram lucros superiores às expectativas”, sublinhou.

Mas as inquietações sobre o crescimento da economia internacional, reavivadas no início da semana por estatísticas menos boas do que previsto da economia chinesa, e a revisão em baixa pelo Fundo Monetário Internacional das suas previsões de crescimento para 2019 forçaram os índices “a regressar a níveis negativos” durante a sessão, destacou o especialista.

Depois desta passagem por território negativo, porém, os índices acabaram por recuperar, suavemente, para se fixarem em zona de ganho. Neste contexto, segundo Hogan, “é preciso que se avance na resolução do conflito comercial entre a China e os EUA e sobre o shutdown (o encerramento parcial de serviços do governo federal) para que os investidores se virem com confiança parta o mercado acionista”.

Na questão das negociações com Pequim, Donald Trump garantiu esta quarta-feira que decorriam “muito bem”, recusando dizer se estava otimista quando à solução da guerra comercial em curso.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)