Auditar a Caixa Geral "exorbitaria" papel do BdP?

Mário Centeno virou os holofotes para o governador do Banco de Portugal, deixando no ar uma crítica ao facto de o supervisor não ter aceitado ser ele a pedir a auditoria à CGD. A crítica faz sentido?

Por Edgar Caetano, Nuno Vinha