Rádio Observador

Alterações Climáticas

Davos. Envelhecimento da população e alterações climáticas são maiores perigos para crescimento

Georgieva afirma que as alterações climáticas podem provocar um corte entre 15% e 25% no PIB mundial. Já Kuroda defende que o envelhecimento implica menos receitas fiscais e mais gastos sociais.

A diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, moderou o debate que focou as problemáticas relacionadas com o o envelhecimento da população e as alterações climáticas

GIAN EHRENZELLER/EPA

A diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, moderou esta sexta-feira uma mesa redonda em Davos cujos participantes coincidiram em sublinhar o envelhecimento da população e as alterações climáticas como os maiores perigos para o crescimento global.

Juntamente com Lagarde intervieram na mesa redonda a professora da Universidade de Londres Mariana Mazzucato, o governador do Banco do Japão, Haruhiko Kuroda, a responsável do Banco Mundial, Kristalina Georgieva, e o governador da Reserva Federal da África do Sul, Lesetja Kganyago.

Lagarde negou-se desde o princípio “dar manchetes”, porque do que se tratava na ocasião não era oferecer perspetivas de crescimento, mas sim delimitar os riscos concretos.

Neste sentido, Lagarde detetou dois perigos, o envelhecimento da população e as alterações climáticas, e referiu que o primeiro se tratava de “um assunto tão sério que ainda que não pareça é da competência também dos bancos centrais e claro do setor financeiro”.

A partir do Banco Mundial, Georgieva afirmou que se a temperatura global continuar a subir ao ritmo que tem acontecido até agora pode implicar cortes entre 15% e 25% do Produto Interno Bruto (PIB) mundial.

Na sua opinião, a luta contra as alterações climáticas implica a destruição de milhares de empregos em setores condenados a desaparecer, mas também a criação de novos setores.

Neste sentido, Kuroda referiu-se ao envelhecimento da população em todo o mundo, na Ásia e, em particular, no Japão, um fenómeno que implica menos receitas fiscais e mais gastos sociais.

Mesmo assim, Kuroda reconheceu que este processo de envelhecimento da população e as consequentes mudanças demográficas “poderiam dificultar o trabalho do banco central, ao reduzir a taxa de crescimento a longo prazo”, com taxas de juro baixas e menor procura de crédito.

A partir daí, as entidades financeiras poderiam assumir maiores riscos à procura de maiores rendimentos e assim destabilizar o sistema financeiro.

A partir de um ponto de vista oposto, o governador do banco central da África do Sul relatou que África é um continente de “gente jovem mas sem trabalho”, fazendo com que as prioridades sejam outras, designadamente apostar na formação e na educação.

E em relação às alterações climáticas, recordou eu África é fornecedor de matérias-primas, um setor que é altamente contaminante, mas que tem potencial para se reconverter numa indústria mais “verde”.

Para isso, adiantou, é preciso investir na formação e em novas tecnologias para que não desapareçam postos de trabalho, mas surjam outros novos.

Os sindicatos, referiu, proclamam que querem proteger o emprego, mas o que é preciso são as pessoas e para executar esta “transição”, é necessário adotar políticas adequadas e incentivos à inovação.

A África do Sul vai aumentar a produção de energias renováveis ao mesmo tempo que se vai reduzindo setores como o do carvão, e aí é onde o Governo choca com as organizações empresariais, que terão um “status quo” que vai desaparecer.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)