Rádio Observador

Papa Francisco

Papa pede aos jovens para serem construtores de pontes e não de muros

122

O Pontífice frisou que apesar das circunstâncias vividas por cada pessoa e das suas diferentes culturas deve haver uma união, facto que diferencia os construtores de muros dos construtores de pontes.

As Jornadas Mundiais da Juventude, maior evento organizado pela Igreja Católica, decorrem até domingo na Cidade do Panamá

PAULO NOVAIS/LUSA

O Papa Francisco disse esta quinta-feira, no Panamá, que os jovens refutam os discursos que semeiam a divisão, criticou os construtores de muros e pediu aos mais novos para serem construtores de pontes.

Vimos de culturas e povos distintos, falamos línguas diferentes, vestimos roupas diversas. Cada um dos nossos povos viveu histórias e circunstâncias diferentes. Quantas coisas podem diferenciar-nos”, afirmou Francisco perante milhares de jovens concentrados no campo Santa Maria la Antigua, na cidade do Panamá, ao discursar na cerimónia de abertura das Jornadas Mundiais da Juventude (JMJ).

Porém, “nada disso impediu” este encontro, frisou o Papa, para reconhecer que tal sucedeu porque “há algo” que une os presentes.

“Fizestes muitos sacrifícios para vos poderdes encontrar, tornando-vos, assim, verdadeiros mestres e artesãos da cultura do encontro. Com os vossos gestos e atitudes, com as vossas perspetivas, desejos e, sobretudo, a vossa sensibilidade, desmentis e desautorizais todos esses discursos que se concentram e se empenham em semear a divisão, que se empenham em excluir ou expulsar os que não são como nós”, salientou o Papa.

Para Francisco, assim é, porque os jovens têm “um olfato capaz de intuir que ‘o amor verdadeiro não anula as legítimas diferenças, mas harmoniza-as numa unidade superior”, citando o seu antecessor, Bento XVI, Papa emérito, para quem pediu um aplauso.

“Pelo contrário, sabemos que o pai da mentira prefere sempre um povo dividido e litigioso”, adiantou, referindo que este é o mestre da divisão, e “tem medo de um povo que aprende a trabalhar junto”.

Segundo Francisco, este é um critério que distingue os construtores de muros e os construtores de pontes, assinalando que “são os construtores de muros que, semeando o medo, procuram dividir, mas os jovens querem ser construtores de pontes”.

O Papa referiu, ainda, que “a cultura do encontro é apelo e convite”, citando depois “um santo destas terras”, Óscar Romero (1917-1980), que canonizou o ano passado: “O cristianismo não é um conjunto de verdades para se acreditar, nem de leis para se observar, nem de proibições. O Cristianismo é Cristo”.

O Papa questionou depois os jovens sobre os que mantém unidos, para responder: “O que nos impele é o amor de Cristo”.

No discurso, Francisco disse, ainda, que prosseguiu as JMJ “não para criar uma Igreja paralela, mas um pouco mais divertida ou ‘cool'”.

“Ao contrário, queremos redescobrir e despertar, juntamente convosco, a novidade e juventude da Igreja”, acrescentou, para no final dizer que o mais esperançoso destas jornadas é de que não sairá “um documento final, uma mensagem consensual ou um programa a aplicar”.

O mais esperançoso deste encontro será o rosto dos jovens no regresso a casa, com “aquela força nova que se gera sempre” nestes encontros, afirmou.

Na cerimónia de acolhimento ao Papa, o português ouviu-se, logo no início da celebração, no desfile de bandeiras, quando representantes dos cinco continentes discursaram. “Aqui estamos Santo Padre, os filhos da África, o continente que brota a vida, onde culturas milenares encontraram na fé cristã um sinal de misericórdia e de esperança”, disse uma jovem, acrescentando: “Nós, jovens da África, queremos ser esperança para nossos povos”.

As JMJ, maior evento organizado pela Igreja Católica, decorrem até domingo na Cidade do Panamá.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)