O secretário-geral do PS, António Costa, afirmou este sábado que está “obcecado” pela Madeira, do mesmo modo que está por “todo o território nacional” como líder partidário e primeiro-ministro.

Tenho ouvido dizer, num tom de crítica, que eu estou obcecado pela Madeira. Não percebo a crítica, porque verdadeiramente o que se pede a alguém que é líder de um partido político, que ainda por cima exerce as funções de primeiro-ministro, é que seja mesmo obcecado pelo seu país”, declarou durante uma convenção do PS, que decorreu na Ponta do Sol, na zona oeste ilha.

António Costa vincou também que é “mesmo obcecado pelo seu povo” e “por todo o território nacional”. “Para mim a Madeira não é menos Portugal que o Algarve ou Trás-os-Montes. A Madeira é Portugal e estou sim, estou obcecado pela Madeira”, declarou, após o que foi aplaudido de pé pela assistência. “E digo-vos mais: eu pela Madeira vou onde for necessário ir”, garantiu.

O secretário-geral do PS centrou, contundo, o discurso nas eleições europeias de maio, apelando para a mobilização dos socialistas madeirenses, pois vão constituir o “trampolim para as regionais” que se realizam em setembro. “É aqui que começa a vitória”, disse, lembrando que o PS esteve associado à Europa em todos os ciclos governativos, desde a adesão ao tratado de Lisboa, passando pela entrada no euro.

A Europa tem sido absolutamente fundamental para o nosso desenvolvimento. É a Europa que tem contribuído para o financiamento daquilo tem feito a mudança em Portugal, nas regiões autónomas, em todo o território nacional ao longo das últimas décadas”, disse.

António Costa sublinhou que sem solidariedade da União Europeia numa região ultraperiférica como a Madeira “dificilmente” se vencerá “os desafios da coesão territorial, da continuidade territorial e do desenvolvimento”. “Sim, nós somos Europa, nós precisamos da Europa, nós queremos a Europa, nós estamos aqui para defender a Europa”, declarou, acusando depois as autoridades regionais de nem sempre participarem nos grupos de pressão junto dos organismos europeus.

Como exemplo, referiu a recente criação de uma frente comum que juntou regiões de Portugal, Espanha e França, mas na qual não consta qualquer representante da Madeira. “Temos de defender a Europa para que a Europa nos defenda a nós e, para isso, precisamos de um PS forte e uma votação massiva no Partido Socialista aqui na Região Autónoma da Madeira”, disse, salientando que “se não nos mobilizarmos para defender aquilo que é nosso, há de facto um risco efetivo de a União Europeia poder fracassar”.

A Convenção regional do PS ficou marcada por um incidente protagonizado pelo ex-líder e ex-deputado do Partido Trabalhista Português (PTP), José Manuel Coelho, que logo no início subiu ao palco, com um cartaz onde se lia “Jardim-Costa Eleitoralismo Nunca Mais!” e ali permaneceu num canto até ao fim dos trabalhos.